Você conhece a lenda do Rougarou?

Depois da incrível história de Doppelgänger na última semana…

arquivo do horror

A lenda do Rougarou é bastante conhecida dos Estados Unidos, principalmente no estado da Louisiana, colonizado originalmente pelos franceses. 

Ao contrário do que muitos imaginam a lenda não é originária da cultura indígena, mas foi trazida pelos colonizadores europeus.  

rougarou 1

De acordo com o que é contado a respeito dele, o Rougarou muito se assemelha ao lobisomem, não somente pelo fato do seu nome lembrar o termo Loup Garou (que significa homem lobo, em francês), mas também por ele ser representado pela figura de um homem com a cabeça de um lobo.  

Como acontece com diversas outras lendas contadas oralmente, essa é mais uma que possui pequenas alterações de acordo com a região em que é contada, não possuindo uma versão absoluta.  

Há versões em que se menciona o fato de que basta ver a criatura para também ser amaldiçoado e se transformar em um Rougarou, já outras dizem que só se transforma quem é ferido por ela, enfim…  

Na verdade a lenda sempre foi utilizada pelos moradores da Louisiana para amedrontar as crianças e os jovens, evitando que eles fossem a determinados lugares ou forçando-os a se comportarem bem, assim como acontece no Brasil com as lendas acerca do homem do saco, do bicho-papão, etc. 

 Porém, como em todas as lendas, há quem afirme já ter visto e até mesmo ter mantido algum tipo de contato com a criatura.  

Será que o Rougarou existe realmente?   

Difícil dizer, talvez seja necessário ir até a Lousiana e tentar encontrar a resposta.

E na próxima semana…

castelinho rua apa

Este local é famoso, fica na região central de São Paulo e possui um passado horroroso. As histórias sobrenaturais são conhecidas em todo o país, mas o BDI foi além, e conseguiu um depoimento inédito que pode mudar tudo. Você vai conhecer a verdadeira história do Castelinho da Rua Apa.  

 Arquivo do Horror, toda quarta-feira, às 20h, no BDI.

@oscarmendesf / Site oficial do autor

Mande e-mail para o colunista: oscarmendes@bastidoresdainformacao.com.br