Vecchio diz que foi prejudicado pelo Dorival Jr no Santos

(Foto: Ivan Storti/Santos FC)

Emiliano Vecchio nunca se firmou no Santos. Nesta temporada o argentino foi afastado por Dorival Júnior no começo da temporada e só fez sua estreia na última quarta-feira, na vitória santista sobre o Botafogo, no Pacaembu, pela quinta rodada do Campeonato Brasileiro.

Após ser demitido no Peixe, Dorival disse em entrevistas que o meia tinha sido cortado depois de faltar a um treinamento. Nesta sexta-feira, porém, Vecchio desmentiu a versão do treinador.

“Fizemos coletivo contra o Taubaté no começo do ano. Naquele momento, eu tinha tudo arrumado para ir para o Estudiantes. Tudo arrumado para o empréstimo. Uns dias antes, tivemos o amistoso com o Kenitra, e eu não fui relacionado. Fui falar com Dorival, com respeito, perguntando se eu ia ser levado em consideração. Ele falou que eu estava entre os três com melhor qualidade no elenco e que jogaria em todos os times do Brasil. Dois dias depois, fiquei fora do Paulistão. No treino (que Dorival o acusa de ter abandonado), eu estava com dor no adutor, avisei o doutor e saí. No dia seguinte, o Ceolin (gerente de futebol) chegou e falou na frente de mim e do Noguera que eu estava afastado, sem motivo. Dorival não falou pra mim. Falou um mês depois que eu não quis treinar naquele dia. Esse foi o motivo. Não entendi muito o que aconteceu”, disse.

“Fiz todos os trabalhos. Nunca faltei. Foi a melhor pré-temporada da minha vida, me sentia ótimo. Algumas coisas não são compreensíveis. Tenho personalidade forte, mas nunca fazendo mal para o grupo. Ninguém me dava treino. Quase um ano sem jogar, fui prejudicado. Por algo que, com um papo, poderia se solucionar”, ressaltou o argentino.

Vecchio deve voltar ao banco de reservas no embate contra o Atlético-PR, neste domingo, em Curitiba, pela sexta rodada do Brasileirão. Isso porque Lucas Lima está recuperado de um estiramento muscular na coxa direita e será o titular.

“O Lucas é insubstituível. É impossível. Tem visão de jogo muito grande. Temos que tentar rodear ele para que a armação seja mais fácil. Sem ele, é impossível. Mesmo dando melhor, são outras características. É muito importante que ele esteja. Vamos ver o que acontece”, concluiu Vecchio.

Deixe uma resposta