Opinião: Urnas eletrônicas, a quem interessam?

urna-eletronica-eleicao-brasil

As urnas eletrônicas utilizadas nas eleições brasileiras fazem parte da primeira geração desse tipo de dispositivo e, mesmo recebendo atualizações desde 1996, ainda estão muito longe de serem confiáveis.

Tamanha é a desconfiança que mais de 50 países já rejeitaram sua utilização.

O Paraguai, que realizou alguns testes do equipamento entre 2003 e 2006, proibiu seu uso a partir de 2008 exatamente pela falta de confiança que ele inspirava.

Os países que aceitam sua utilização o fazem no sistema de registro simultâneo do voto impresso com o voto digital, de forma a não haver margem para fraudes.

Entretanto, por motivos nada convincentes, a “ilustre” ex-presidente Dilma Roussef vetou o voto impresso que havia sido aprovado pela Câmara dos Deputados.

A quem interessa a manipulação de votos?

Moro em São Paulo e me recordo que, nas últimas eleições, foram poucas as pessoas com quem me relacionava que assumiram terem votado na Dilma ou no Haddad, e curiosamente ambos venceram essas eleições, para presidente e prefeito, respectivamente.

E isso não aconteceu comigo, todos com quem falei a respeito concordavam que a quantidade de pessoas que votaram nos candidatos do PT eram minoria.

Conclusão: ou as pessoas sentiam vergonha por terem optado por esses candidatos ou há algo de MUITO errado nisso tudo.

E sabe qual a justificativa de Dilma para o vetar o uso do voto impresso como validados do eletrônico? O elevado custo para implantação do sistema.

Segundo o TSE, implantar o voto impresso junto às urnas custaria R$ 1,8 bilhão aos cofres públicos.

Um valor aceitável para que a democracia brasileira seja algo legítimo.

@oscarmendesf / Site oficial do autor

Mande e-mail para o colunista: oscarmendes@bastidoresdainformacao.com.br

Deixe uma resposta