Sugar Babies: as protegidas da Corte durante a Idade Média

Meu nome é Luciana do Rocio Mallon, sou pesquisadora de Lendas e estudiosa do Misticismo.

Escrevi este texto para esclarecer detalhes sobre o “universo sugar”. Pois vi muitas pessoas falando besteira dizendo que “sugar baby” é meretriz. Mas, no fundo, ela é apenas uma namorada que recebe mimos e orientação profissional do “sugar daddy”, que por essência é um verdadeiro e gentil cavalheiro.

Durante a Idade Média, a Igreja Católica colocou muitas mulheres acusadas de bruxaria na fogueira. Porém, mesmo assim na corte, existiam nobres que eram ligados às ordens místicas secretas. Assim uma das missões, destas seitas, era resgatar algumas moças com dons sobrenaturais para que elas não fossem mortas na fogueira e a mesma contribuísse com seus dons místicos para a corte.

Então, o nobre tinha o direito e o dever de ir até a aldeia, pesquisar sobre a suspeita de alguma jovem com poderes sobrenaturais, trazer a moça para o castelo, providenciar conforto e estudos para a dama que era colocada na ala dos empregados. Em troca, a mística dava conselhos à corte através de seus dons. Por isto, era normal o nobre escolher uma esotérica pela qual ele possuía atração. Mas nem sempre ela se tornava amante dele. Infelizmente, as moças com poderes que não eram escolhidas pelos nobres, morriam na fogueira.

Reza a lenda de que estas esotéricas dormiam nas alas dos empregados. Desta forma, para que elas não fossem abusadas por outros homens dos castelos, os nobres colocavam um pote com uma espécie de açúcar como sinal na porta do quarto destas damas. Deste jeito, elas receberam o apelido de “sugar babies”. Pois sugar significa açúcar em Inglês. Aliás, isto explica o fato de muitos “sugar daddies”, de hoje, pertencerem às seitas secretas como a Maçonaria por exemplo.

Notamos a existência destas moças esotéricas nos filmes medievais, quando escutamos frases como:

“ – Não mexa com esta jovem, pois ela é protegida do rei.”

“- A nova protegida do duque chegou.”

Na época, elas também eram chamadas de protegidas. Muitas vezes, em alguns filmes, notamos que a protegida não era uma espécie de empregada, mas também não era amante do nobre.

Também existe uma lenda dizendo que o termo “sugar baby” surgiu no velho oeste americano, quando os bordéis foram proibidos e os donos das plantações de açúcar compravam casas para suas amantes em outros lugares. Por isto elas receberam o apelido de “sugar babies”. Porém, nada foi comprovado sobre isto. Então o relato de que as “sugar babies” surgiram na Idade Média é mais confiável.

Luciana do Rocio Mallon

Deixe uma resposta