Sob gestão de Doria, São Paulo é o estado com a 2ª menor pontuação em ranking de transparência no combate ao coronavírus

A Transparência Internacional – Brasil lançou nesta quinta-feira o Ranking de Transparência no Combate à COVID-19 para identificar e promover as melhores práticas de transparência de informações referentes às contratações emergenciais realizadas em resposta à COVID-19. O Estado de São Paulo, o mais rico do país, obteve a segunda menor pontuação dentre 26 estados e o Distrito Federal, de apenas 27,8 pontos. Seu nível de transparência foi classificado, portanto, como ruim. Além dele, apenas Roraima obteve a mesma avaliação. Já a capital paulista mostrou um nível de transparência bem melhor, tendo alcançado a 9ª maior pontuação dentre as capitais brasileiras, com 49,3 pontos. Com essa nota, o nível de transparência que a maior cidade do Brasil presta às contratações emergenciais para atendimento da pandemia do coronavírus foi avaliado como regular.

O comparativo lançado hoje, que será atualizado regularmente, tem como objetivo oferecer um instrumento adicional para que a sociedade, a imprensa e os próprios órgãos de controle monitorem as respostas do poder público ante a crise. O ranking também tem como metas estimular o poder público a promover continuamente a transparência de suas ações e reconhecer o bom trabalho realizado por alguns governos estaduais e prefeituras.

Nesta 1ª edição do ranking, Espírito Santo (97,4 pontos), Distrito Federal (88,61), Goiás (84,8) e Paraná (81) destacaram-se como os quatro únicos estados com nível “ótimo” de transparência para contratações emergenciais. Já entre as capitais, os destaques ficaram com João Pessoa (PB) e Goiânia (GO), com 88,6 e 83,5 pontos, respectivamente. Elas foram as duas únicas cidades pesquisadas que se enquadraram na categoria “ótimo”.

A escala do ranking vai de zero a 100 pontos, na qual zero (péssimo) significa que o ente é avaliado como totalmente opaco e 100 (ótimo) indica que ele oferece alto grau de transparência.

Praticamente metade dos estados obteve pontuação classificada como ótima ou boa. A outra metade teve notas que apontaram transparência regular ou ruim. Nenhum estado se enquadrou na categoria “péssimo”.

Já entre as capitais, cerca de 1/5 delas mostrou transparência avaliada como ótima ou boa. Todo o restante foi classificado como regular, ruim ou péssimo – sendo que apenas Belém teve essa última classificação.

Deixe uma resposta