Secretário de transportes de São Paulo pede demissão após exigência bizarra de Bruno Covas

Foto: Divulgação – Prefeitura de São Paulo

O secretário de transportes da capital paulista, Edson Caram, pediu demissão nesta sexta-feira (12). O motivo da demissão foi bizarro: O prefeito, Bruno Covas exigiu que Caram resolvesse o problema da superlotação dos ônibus em apenas uma semana, devido à pandemia do coronavírus.

“O secretário municipal de transportes havia me dito que garantia que nessa semana não haveria passageiro em pé. Hoje pela manhã os números que a gente tem é que 5% das linhas nós tínhamos passageiro em pé. O secretário tem até sexta-feira para conseguir fazer isso. Se até sexta-feira ele não conseguir fazer isso, a partir da segunda é outro secretário que vai tentar fazer isso”, disse Covas na segunda.

Repito, é bizarro a exigência de Covas. Como alguém vai resolver os problemas dos transporte em uma semana na maior capital do país? Ninguém conseguiu em mil anos.

Para resolver o problema da superlotação tem que ser um projeto que liga ônibus + metrô + CPTM. Investindo nos trens, aliviaria os ônibus. O bom exemplo é na zona sul. Depois que a linha 5 do metrô chegou até a região central, ligando Capão Redondo – Chácara Klabin, os ônibus dessas regiões perderam passageiros. A linha 675L – Terminal Santo Amaro – Metrô Santa Cruz, por exemplo, chegou a perder 70% dos passageiros e ela ainda não atende aos domingos. Antes disso a demanda era alta, com enormes filas.

A medida que a prefeitura tomou de colocar 786 ônibus extras para acabar com a superlotação não é eficaz. É óbvio que não ia dar certo.

Bruno Covas pode colocar mil secretários no transporte. Nenhum vai resolver o problema. Tem que ser em parceria com prefeitura – governo do estado e governo federal.

Uma andorinha só não faz verão.

 

Deixe uma resposta