“SBT vive de passado”; Confira com jornalista Flávio Ricco

Olá, Flávio! É um prazer.

 Sua paixão pela escrita e pela televisão começou quando?

Comecei trabalhando como repórter de campo no rádio, ao lado de algumas figuras maravilhosas como Fausto Silva, J. Hawilla, Roberto Silva, Roberto Carmona e tantos outros. Na imprensa escrita, já fiz de tudo, desde buraco de rua até política. O aprendizado veio de tudo isso.

Comente Globo, Record e SBT…

Não existem termos de comparação entre essas emissoras. A Record tentou um dia seguir o mesmo modelo da Globo, tanto em suas produções, como0 na programação. Não deu certo. A experiência foi horrorosa. Ficou conhecida como rascunho. Hoje tenta encontrar um caminho próprio, mas muito dinheiro foi gasto sem resultados mais interessantes. A transmissão da próxima Olimpíada, sem dúvida, poderá tern uma importância decisiva no seu futuro.

Quanto ao SBT, desde 2003, quando coincidentemente o seu dono, mau orientado e mau aconselhado, resolveu dispensar diretores e profissionais reconhecidamente  competentes para se colocar à frente de tudo, a emissora começou andar para trás. Perdeu espaço para a Record e hoje vive do passado, mais com a reexibição de seus antigos sucessos.

A audiência da televisão está em queda; você encontra alguma explicação para tal acontecimento?

A explicação é que antes existia apenas o rádio, talvez os jornais e as revistas como concorrentes. Hoje as opções são muitas. TV fechada e Internet, principalmente, entre elas.

O que você pensa a respeito dos blogs de televisão?

Considero todos válidos. Há espaço para todo mundo. A única observação é que todos pratiquem o bom e verdadeiro jornalismo.

Se você fosse chamado para ajudar a dirigir  emissora na TV aberta você sairia da função de colunista?

Não tenho essa pretensão. Meu tempo em TV já se esgotou.

Você vê potencial na Band e Rede TV! para encostarem nas demais?

Por enquanto ainda não. Devem continuar brigando entre elas. Não sei, sinceramente. Se o Brasil tem capacidade de abrigar tantas redes de televisão., Países mais avançados já demonstraram que não conseguiram.

Obrigado, Flávio. Até a próxima!

Só quero agradecer a oportunidade de estar aqui com vocês. Quando precisar é só chamar. Abraços!

@LucasCanosa

Mande seu e-mail para Lucas Canosa : lucas@bastidoresdainformacao.com.br

Deixe uma resposta