Reúso da água é saída sustentável para meio ambiente

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Diante da crise hídrica no estado de São Paulo, a palavra de ordem é economizar. Nos últimos meses, grande parte da população passou a repensar a forma de se utilizar a água e adotou novas medidas para seu uso racional. De acordo com dados da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), no ano de 2014, mais de 100 bilhões de litros de água foram economizados por cerca de 75% da população paulista. 

Entre algumas das ideias inovadoras que contribuíram para esse resultado estão: sistema de captação de água da chuva por meio de minicisterna, reutilização da água em processos industriais e reutilização da água da máquina de lavar, como fez o engenheiro mecânico José Raimundo de Jesus Almeida.

Segundo Raimundo, seu conhecimento com mecânica hidráulica facilitou na execução do projeto, que serviu de inspiração para os amigos de trabalho, “realizei até um escopo da minha ideia, antes de colocá-la em prática. É incrível ver o quanto de água eu praticamente jogava fora”. O engenheiro também explica basicamente como sua “engenhoca” funciona: “A água da máquina de lavar passa por um balde grande e é bombeada diretamente para um reservatório superior e então abastece a caixa de descarga do vaso sanitário”.

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Além dessas iniciativas caseiras, o Ministério do Meio Ambiente estuda criar uma legislação para a água de reúso, a fim de regularizar seu uso tanto para a agricultura e indústria, quanto para o consumo humano. O professor e diretor do Centro Internacional de Referência em Reúso de Água, Dr. Ivanildo Hespanhol avalia positivamente essa intenção do órgão. De acordo com ele, São Paulo possui tecnologia acessível para o tratamento da água de esgoto, entretanto, nem metade do que é produzido é tratado. 

 Por outro lado, segundo o professor, a população de São Paulo respondeu muito bem à economia de água. “Todos nós somos responsáveis, tanto em casa quanto no trabalho, para diminuir a gravidade da crise. A coleta de águas pluviais, por exemplo, que começou inicialmente com a população, hoje é referência para indústrias e empresas. A mudança também depende de cada um de nós”, afirma.

Conscientização com crianças:

A preocupação com o uso racional da água alcança também o público infantil, principalmente dentro das escolas, por meio da educação ambiental, com exibição de vídeos lúdicos e desenhos animados com dicas de economia, como ressalta o técnico comunitário da Sabesp, Nilton Werneck: “Trabalhar com as crianças é mais produtivo quando a questão requer mudança de hábitos e mudança cultural. É nesta fase que elas absorvem de uma forma mais consistente essas informações e acabam adotando estas práticas em seu cotidiano até a vida adulta”, conclui.

Mande sua mensagem para a colunista: samaratenorio@bastidoresdainformacao.com.br

Deixe uma resposta