Raí, Fabíola Reipert e o R7

Raí

O Portal R7 e Fabíola Reipert receberam sentença de condenação por terem supostamente citado Raí, antigo jogador de futebol, fazendo alusão a uma possível opção sexual dele.
Eu não estou dizendo que fizeram.

Raí que processou os dois por se achar ofendido e foi Raí que concluiu, por uma nota que sequer citava seu nome, que estavam falando que ela tinha mudado de opção sexual.

Raí alegou que isto fez com que ele perdesse trabalhos.

Isto é um assunto polêmico e que achei que eu deveria escrever sobre.

Não quero dizer aqui que houve equívoco na defesa dos réus.

Apenas quero mostrar um lado que acho importante.

Primeiro a declaração de Raí que teria perdido trabalhos pelo fato de ter sua imagem agregada a uma opção sexual, acho que tem um equívoco de entendimento.

Raí precisaria ter mostrado quais foram as empresas que lhe negaram trabalho por ele ter sido interpretado trocando de opção sexual.

Em outras palavras seria necessário Raí mostrar quais empresas que recusaram trabalho a ele por ele eventualmente ser mostrado sendo supostamente gay.

Nenhuma empresa pode negar trabalho a alguém por ser gay, a não ser em casos específicos de produtos exclusivamente para machos heteros, coisa que não existe.

Qualquer produto do mercado pode ser anunciado por quem quer que seja.

Então não vai aparecer quem diga que negou trabalho a ele.

Depois foi ele quem vestiu-se de personagem da nota que não cita ninguém.

Então teria o pior que seria ele ter se sentido ofendido por ter sido insinuado que ele era gay.

Uai, a opção sexual de uma pessoa não pode ser levada como ofensa em tempo algum pois isto é um preconceito.

Quantos atores já não foram chamados de gays em toda história e jamais houve caso de processo por alguém ser chamado de gay.

E sequer a nota escrita fazia demérito ao fato de supostamente alguém ter trocado de opção sexual.

Nem houve desmerecimento nem houve ofensa e menos ainda preconceito num mercado que a gente sabe que tem grande opção sexual de todos os jeitos e maneiras.

A nota falava de alguém que deixou a própria casa da mulher e foi morar com um amigo e isto foi interpretado por Raí de maneira ofensiva.

Acredito que a defesa em recurso a instâncias superiores saiba mostrar este lado da história e inclusive levar a juízo declarações de artistas gays que mostrem não existir ofensa em nada que foi escrito.

Futuro vai dizer.

Deixe uma resposta