Quem é o sem vergonha?

Por Deyvid Xavier

Foto: oglobo.globo.com

Torcedor é torcedor. A maioria completamente passional. São poucos torcedores que conseguem controlar a emoção a ponto de conseguir assistir um jogo e analisar mais do que torcer. Dentro do estádio isso acontece menos ainda. Quando falta a chamada raça aos olhos do fanático, é comum ouvirmos gritos de “time sem vergonha”, como foi o caso do vice-campeonato do Flamengo na Copa Sulamericana, aliás, merecido ao Independiente, que soube jogar as finais e levou o título.

A “sem-vergonhice” começou na madrugada de terça-feira, quando torcedores do Flamengo não deixaram os atletas argentinos dormirem soltando fogos em frente ao hotel. Para começar, em plena madrugada de dia de semana fazer isso? Será que ninguém trabalha? Esses modelos arcaicos para tentar ganhar jogos já estão ultrapassados, o que vale é dentro de campo, tanto que deu Independiente.

Depois, pouco antes do jogo, torcedores sem ingressos derrubaram uma grade do estádio e invadiram o Maracanã sem ingressos. Com certeza, os mesmos que após a perda do título gritaram “time sem vergonha”. Onde está a coerência? E, para finalizar o pacote da falta de vergonha na cara, na saída do estádio, ainda brigaram com a Polícia Militar.

O torcedor do Flamengo tem direito a reclamar, sim. Um time com tanto investimento passar o ano em branco é muito prejuízo ao clube e ao torcedor. O criminoso não tem direito a nada! O futebol refletiu um pouco o que é a sociedade, onde falta educação, falta bom senso, falta se colocar no lugar do outro, falta respeito. Quem é o verdadeiro sem vergonha?