Que venha o carnaval 2017

samba-e-fantasia-3-e1436461944681

Chega ao fim o carnaval 2016 e como era previsto tivemos muitas novidades após a apuração tanto no Rio quanto em SP.

IMG_0721
Jorge Freitas (Carnavalesco da Império de casa Verde) | Foto:Marcio Mendes Campos

Em São Paulo, em meio a confusão generalizada de alguns dirigentes das agremiações, tivemos uma das apurações mais emocionantes dos últimos anos, e o resultado final, um dos mais justos também. O título incontestável da Império de Casa Verde veio coroar, mais uma vez, um belíssimo trabalho do carnavalesco Jorge Freitas. O segundo lugar da Acadêmicos do Tatuapé mostra o trabalho sério realizado na agremiação, e uma classificação justa para um desfile que emocionou muitos apaixonados por carnaval. Mocidade Alegre, em terceiro, não é nenhum demérito para Morada do Samba, a escola mais uma vez levantou o público, com um samba empolgante e a bateria ritmo puro de Mestre Sombra, que ousou em fazer o “paradão “. O honroso quarto lugar para o Vai-Vai, escola que estava mais luxuosa que em 2015, com o chão forte de sempre. Vila Maria, em quinto, foi, talvez, a escola mais injustiçada da apuração. A agremiação certamente fez um dos seus melhores desfiles no grupo especial e merecia, sim, uma pontuação melhor.

Quanto as rebaixadas, em 2016, podemos dizer que foi  uma queda justa tanto da Pérola Negra como da X-9 Paulistana. Pérola abriu o carnaval e não empolgou o público, além de ser nítida a diferença,  no luxo e em termos de organização de desfile para demais agremiações.  A escola da Parada Inglesa fechou o carnaval com um desfile trágico com problemas no tripé da comissão de frente, no carro Abre-Alas, outra alegoria que passou quase sem composições, sem contar os buracos, para não falar crateras, que surgiram durante o desfile. Subiram para o Grupo Especial Mancha Verde e Tom Maior

Já no Rio de Janeiro, em uma apuração sem confusão, porém,  tensa devido ao equilíbrio para a disputa do título. Podemos afirmar, sem medo de errar, que qualquer uma das quatro primeiras merecia o troféu. Mangueira, a grande campeã, emocionou o público com um desfile lindo que há tempos não fazia, Unidos da Tijuca em segundo, comprovando que tem chão fortíssimo, e contrariando muitos que achavam que escola era dependente de seu antigo carnavalesco.  A portela, de Paulo Barros, ficou em terceiro, a agremiação que foi aclamada com o grito de “campeão” por toda Sapucaí veio com a cara de seu carnavalesco sem perder sua essência e força. O quarto lugar ficou com o Salgueiro que também empolgou o público com seu samba,porém teve falha na iluminação do carro Abra-Alas .O quinto lugar para Beija-Flor, a Deusa da Passarela, mais uma vez Luxuosa, porém, faltou mais o azul e branco no desfile, quem assistiu tanto pela TV como das arquibancadas viu muito dourado e as cores da escola  só  apareceram em um setor, além da bateria . E o sexto lugar para Imperatriz, que desfilou com garra. Uma agremiação que tinha o samba considerado o melhor do ano para muitos, no entanto, o samba não atingiu em cheio o coração de quem estava na avenida.

O justo rebaixamento da Estácio que passou “fria” na avenida e a volta da Paraíso do Tuiuti para o grupo especial.

Enfim fecha-se um carnaval e começa outro… 2017 é logo ali.

“Samba & Fantasia”, todo sábado, às 20h, no BDI.

Mande seu e-mail para o colunista : marciomendes@bastidoresdainformacao.com.br

Deixe uma resposta