Quando o Exército muda de perfil

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Um jovem soldado do Exército morreu baleado no Rio pelo pessoal do tráfico.

Antes dele dezenas de outros soldados da Polícia Militar e também gente da Polícia Civil morreu combatendo o mesmo tráfico.

Esta semana, exatamente porque a polícia paulista matou um traficante, os traficantes fecharam todo um bairro da cidade.

Se o Exército deste vez não executar uma campanha de guerra e atingir ao menos uma dúzia de traficantes, perderá a moral frente aos bandidos.

Nos casos anteriores da Polícia Militar e Polícia Civil, infelizmente os governantes não deram e nem dão a menor cobertura pra estas polícias.

Isto não é questão de partido.

Tanto o PSDB quanto o PT foram gerados por personalidades que sempre se confrontaram com as polícias do tempo de Regime Militar.

E esta filosofia de confronto continuou mesmo depois que PSDB e PT se transformaram em governos nas mais diversas partes.

Na cabeça dos governantes a polícia continua sendo aquela do Regime Militar, que tortura e mata adversários políticos.

Nem PSDB e nem PT tem cabeça pra governar o que quer que seja porque governo tem que ter o princípio base da segurança e autoridade.

Autoridade não se ganha no grito igual faz Dilma e nem na omissão igual faz o Geraldo.

Autoridade, comando e governo é pra quem sabe fazer.

Vai ser muito difícil aparecer um governante do porte de Juscelino ou até de Ernesto Geisel, os dois grande governantes que o Brasil já teve.

Mas se quem quer que seja presidente ou governador continuar fazendo reverência ao Conselho de Traficantes e continuar prejudicando a polícia não permitindo estratégia de guerra, de nada adianta eleição, guerra contra inflação, guerra contra miséria ou coisas parecidas.

A segurança pública de um país é seu fundamento.

Depois das polícias estaduais agora o Exército foi agredido.

Se ficar quieto não é o Exército que perdeu a guerra mas sim o povo que ficou sem Exército, sem polícia e sem governantes.

Mande seu e-mail para James Akel : jamesakel@bastidoresdainformacao.com.br

Deixe uma resposta