PM nega omissão em morte de torcedor do Fluminense no Allianz Parque

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

O torcedor do Fluminense, Flávio Mendes (51), morreu após passar mal no jogo contra o Palmeiras, na quarta-feira, no Allianz Parque, em partida válida pela Copa do Brasil. Pessoas ligadas ao torcedor carioca informaram que o atendimento da PM foi demorado, o que teria sido prejudicial aos cuidados do torcedor.

A entidade diz que ocorreram empecilhos na hora de retirar o torcedor do estádio.

“A patrulha reportou ao comandante do policiamento as dificuldades encontradas pela equipe de socorro em posicionar corretamente o paciente na maca em razão do pequeno espaço existente na arquibancada, devido à presença de cadeiras”, avisou a polícia.

“De imediato, foi contatado o oficial que se encontrava no Centro de Controle Operacional do estádio, local este que permite o rápido acionamento dos diversos órgãos envolvidos na organização e realização do evento, para que informasse o ocorrido ao responsável pela equipe de socorristas. Foi realizado o despacho de equipe para a prestação de socorro ao indivíduo que passava mal”, declarou a Polícia Militar.

O órgão acrescenta que o socorro chegou rapidamente.

“Neste interim, a patrulha de policiais militares que estavam no local tomou as providências de suporte para o trabalho dos socorristas, tais como, afastamento de pessoas para manter um ambiente mais arejado, isolamento do local crítico, acalento da vítima e liberação do acesso para a chegada dos responsáveis pelo socorro especializado. A equipe de socorro não tardou a chegar ao local”, continuou a PM.

“A equipe de socorro conseguiu retirar o indivíduo e o conduziu ao posto médico. Na sequência, a Polícia Militar foi informada de que o socorrido fora removido ao hospital. Todos os procedimentos afetos à Polícia Militar foram tomados para o adequado atendimento ao indivíduo que passou mal no estádio”, acrescentaram os policiais.

Daniel da Anunciação, acusou Polícia Militar e os funcionários do Allianz Parque de omissão no atendimento ao torcedor Flávio Mendes.

“Ele começou a passar mal logo no final da disputa de pênaltis. Quando percebemos, ele já estava sentado, de cabeça baixa, e foi aí que começou o desespero. Nesse momento, a PM já barrava a saída dos torcedores. Então começamos a pedir ajuda. Fizeram respiração boca a boca e massagem cardíaca, e a polícia não se movimentava. Pior que isso, ironizavam a situação, dizendo que não eram médicos e que era para nós ficarmos quietos”, relatou.

“Com muito custo apareceram os bombeiros civis, mas que não faziam ideia de como proceder e nem sequer tinham uma maca em mãos. Foi então que acharam um médico no meio da torcida do Fluminense, que prestou socorro. Houve omissão, principalmente por parte da PM e dos funcionários, que nem se mexiam”, completou.

O Palmeiras, alega que prestou atendimento imediato, tendo levado Flávio ao ambulatório do estádio, onde foi submetido a um eletrocardiograma, que não detectou parada cardiorrespiratória.

O torcedor foi encaminhado à Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo e morreu na tarde desta quinta-feira.

O Allianz Parque apontou que, em dias de jogos, a organização da operação cabe ao Palmeiras.

Confira o comunicado na íntegra:

O Allianz Parque lamenta o falecimento de Flávio Mendes, ocorrido nesta quinta-feira, 29, na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo.

Mendes passou mal nas dependências da arena, logo após a partida Palmeiras x Fluminense, realizada na quarta-feira, 28, pela semifinal da Copa do Brasil.

O atendimento ao torcedor fluminense foi realizado pelos brigadistas e pela equipe de serviços médicos contratada pela Sociedade Esportiva Palmeiras, para a operação do jogo.

Cabe informar que, entre o primeiro alerta de que o torcedor passava mal e a chegada da primeira equipe ao local, passou-se menos de um minuto (40 segundos, conforme pôde ser comprovado pelo sistema de segurança da arena). E que, quando deixou as dependências do estádio, em UTI Móvel, o torcedor já estava monitorado e medicado.

Em que pese o fato de a operação em dias de jogos caber à Sociedade Esportiva Palmeiras, a equipe do Allianz Parque está constantemente de prontidão e à disposição.

Em nota oficial, o time alviverde respondeu às palavras da PM.

Confira, abaixo:

“A Sociedade Esportiva Palmeiras vem a público esclarecer o ocorrido na noite da última quarta-feira (28), no Allianz Parque, quando o Sr. Flávio Mendes passou mal após a semifinal da Copa do Brasil.

1) Não procedem as afirmações de que houve negligência e atraso no atendimento ao torcedor. Do instante em que policiais militares foram avisados do ocorrido (00h22m54) passaram-se apenas 24 segundos até a chegada do primeiro bombeiro civil ao local (00h23m18), conforme registro das câmeras internas do estádio.

2) São inverídicos os relatos de que os profissionais que prestavam socorro levaram tempo exagerado na localização da maca naquele setor. Após identificada a necessidade de remoção do Sr. Flavio Mendes para o ambulatório (00h25m26), foram decorridos exatos 45 segundos até o retorno de um dos atendentes com o equipamento (00h26m11).

3) As constatações acima estão todas comprovadas com imagens obtidas pelo sistema de câmeras de segurança do Allianz Parque.

4) O clube reitera comunicado divulgado na noite de ontem (29) em que afirma peremptoriamente que o Sr. Flávio Mendes recebeu pronto atendimento após as equipes de socorro terem sido contatadas. O torcedor foi encaminhado ao ambulatório, realizou exames e constatou-se que não houve parada cardiorrespiratória. Em seguida, deixou o estádio consciente e em diálogo com os profissionais que o acompanharam na ambulância até a chegada à Irmandade Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, que passou a cuidar do caso.

5) A Sociedade Esportiva Palmeiras lamenta profundamente o falecimento do torcedor do Fluminense e se solidariza com a dor de familiares e amigos”.

Deixe uma resposta