Opinião: mais uma absurda atitude da parceria Doria e Covas

FOTO GOVERNO SP

Desta vezes, privilegiando seu candidato à Prefeitura, Doria liberou o comércio em São Paulo e proibiu a reabertura em todas as cidades vizinhas.

O governador de São Paulo não tem limite quando o assunto é eleição. Ele usa qualquer doença e faz absurdos para vencer a corrida de outubro. Passou por cima de Alckmin, de França e deseja passar por cima de Bolsonaro, que tanto foi usado para sua vitória no Estado.

Doria não deve saber que as cidades vizinhas da capital estão à distância de uma ou duas ruas e que a cidade é quase um país, com bairros, como a Brasilândia, repleto de aglomerações e casos confirmados. Ele também não deve saber que a cidade é a que mais acumula casos e mortes no país e que sua taxa de óbitos a cada 100 mil habitantes é a segunda maior entre todos os municípios de São Paulo.

Covas não sabe que as cidades limítrofes são dormitórios e que vai causar aglomeração no transporte público, vai levar a galera pra “dar rolê” em shoppings da Capital e ainda enfraquecer a economia de todos os municípios vizinhos, exceto o seu. 

O mais engraçado de tudo isso é que Doria tanto lutou contra Bolsonaro falando que entre vida e economia ficaria com economia e libera as atividades no ápice da crise da pandemia, para uma cidade beirando 90% de taxa de ocupação de leitos todos os dias. Mas, assim como aquele rodízio absurdo já abortado, ambos não sabem o que fazem. Se dividem entre os problemas da cidade e resolvem de acordo com os interesses das urnas.

Deixe uma resposta