Opinião: Generais perderam compostura

Bem ao contrário dos dignos e que honravam a farda Generais de 30, 45, 64, 70, 75 e 80, que participaram das movimentações militares que evitaram o comunismo no Brasil, todos os comandantes militares de agora decidiram por se submeter ao comunismo comandado por Fernando Henrique, Lula e Dilma, com cooperação de Michel Temer.
Primeiro jogaram no lixo a placa com o nome de Presidente Medici numa escola na Bahia pra por ali o nome do militar desertor e terrorista Carlos Lamarca.
E nenhum comandante militar do Brasil abriu a boca pra contestar.
Depois trocaram o nome do Marechal Costa e Silva de um logradouro para colocar o nome do milionário baderneiro e comandante de terrorismo João Goulart.
E nenhum comandante miliar abriu a boca.
Depois fizeram homenagem aos terroristas mortos dentro de um cemitério da cidade.
E nenhum militar abriu a boca.
Depois a Procuradora Geral da República pede o fim da Lei de Anistia pra condenar militares.
E nenhum comandante militar abriu a boca.
Eu tenho vergonha dos comandantes militares do país.
Não honram seus antecessores que tanto lutaram pra manter o país no capitalismo e na segurança pública das pessoas de bem.
Eu tenho vergonha dos comandantes militares de agora que se submeteram ao comunismo, batem continência aos comunistas, colocam suas tropas sem estratégia alguma pra enfrentar bandidos no Rio e desmoralizando o Exército.
Eu conheci Castelo Branco, Costa e Silva, Médici, Geisel, Figueiredo (que perdeu a mão no governo e fez a Anistia), Amaury Kruel, Orlando Geisel, Guedes, além de outros comandantes militares do II Exército que com tanta coragem enfrentaram terroristas.
Estes militares citados eram o orgulho das Forças Armadas com todos seus contemporâneos da época que não tenho os nomes agora.
Aquela foi uma geração de grandes líderes militares que honravam o país.