ONG revela quantos jornalistas foram mortos em 2014

journos-police-operation-

O Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) revelou, em seu relatório anual, que 60 jornalistas foram mortos este ano em casos de violência relacionados ao trabalho. Em 2013, o número foi de 70.

Segundo a pesquisa, o Oriente Médio foi a região mais perigosa para os profissionais, com quase metade das mortes. A Síria, pelo terceiro ano consecutivo, foi o país com maior ocorrência: 17 casos. Aliás, o conflito no local, que se estende desde 2011, já matou 69 membros da imprensa.

O cargo de repórter de emissora foi o mais atingido, representando 35% do total. O CPJ considera um caso relacionado ao trabalho quando a equipe da organização está “razoavelmente certa” de que o jornalista foi morto em represália direta por seu trabalho, no fogo cruzado durante combates ou durante a realização de uma tarefa perigosa.

Deixe uma resposta