O programa do presidente da TV Assembleia

fernando capez

Vamos separar aqui o programa apresentado por Fernando Capez na TV Assembleia da figura do presidente da TV Assembleia Fernando Capez.

A separação se deve ao fato que sempre acreditei que o presidente da Assembleia jamais deveria ter um programa somente pra ele.

Mas vamos ao programa.

Peguei pra ver um vídeo onde Fernando Capez entrevista José Eduardo Martins Cardoso, atual ministro da Justiça de Dilma.

O conteúdo do programa foi muito bom, embora a formatação do programa e o desenvolvimento dele tenha deixado muito a desejar.

Primeiro no começo do programa demoraram quase 5 minutos apenas apresentando currículo do entrevistado José Eduardo.
isto tira a dinâmica do programa.

Isto faz com que quem está vendo o programa se desinteresse por ele e mude de canal.

Foi cansativo.

O currículo do entrevistado tem que ser contado aos poucos durante o programa.

José Eduardo, pra minha surpresa gerou bons assuntos, mesmo eu discordando dele na postura política.

Mas ele foi de grandes momentos de lucidez.

Suas respostas e diálogos nada me lembravam o ministro da presidente.

Um dos momentos mais interessantes foi quando o público passa a saber da relação de amizade pessoal entre Capez e José Eduardo onde vem à tona passagens engraçadas.

Vamos ao que deveria ser mudado no programa.

O cenário atrapalha o programa pois tira a atenção da entrevista e não faz o contraste adequado aos participantes.

As fotos que aparecem ao fundo do cenário dispersam o programa.

E quando alguém passa de outro canal pra ver o programa não sabe o que está se passando nem onde está.

Falta o nome do programa no cenário.

Capez está em postura errada de apresentador ao ficar o tempo todo de perfil.

Isto é inaceitável em qualquer programa.

No programa citado a gravata de Capez estava torta e ninguém se atreveu a falar isto pra ele, parar a entrevista e voltar a gravação depois de corrigir.

Isto mostra desinteresse ou desconhecimento de produção e direção do programa.

Mais uma coisa que Capez tem que aprender quando senta na cadeira de entrevistador.

O entrevistador não pode ficar defendendo o entrevistado.

Capez não se conteve por ser amigo pessoal de José Eduardo e defendeu Eduardo contra a postura de um cidadão que ao encontrar José Eduardo numa livraria foi tirar satisfação com ele.

Capez não poderia, em sendo entrevistador, ter postura de amigo do entrevistado.

Tem que dar chance ao entrevistado pra que o entrevistado possa se defender e postar o que acha que deve fazer.

Assisti o programa até o fim porque era interessante, embora o começo de 5 minutos apenas mostrando currículo fosse cansativo.

Faltaram perguntas contundentes a uma entrevista deste porte.

As perguntas podem ser contundentes mesmo aos amigos no poder.

Mas são importantes de serem feitas mesmo com jeito e boa educação, coisa que Capez tem.

Deixe uma resposta