O porquê da legalização da maconha

Plantação de maconha / Foto: Reprodução

Plantação de maconha / Foto: Reprodução

Eu não quero, e tenho certeza que você também não deseja que seu filho fume um baseado ou veja seus amigos tragando na rua em plena luz do dia. Mas isso já acontece, meu caro! Perdemos a guerra contra as drogas. Contudo, ainda podemos vencer o tráfico. Por que não?
A legalização das drogas quebraria uma máquina suja de dinheiro que é o sistema. O rapaz de classe alta vai à boca e compra sua erva, daqui a pouco ele não acha o dinheiro e rouba da família. Além disso, corre o risco de ser assaltado, se ferir em um tiroteio ou ser morto por causa de um calote no “gerente do comércio”. Parte da renda extraída é destinada a policiais corruptos e o dinheiro vai subindo até chegar ao comando de gente muito grande dentro do país.

Os traficantes possuem armas tão poderosas como as do Exército. Como as conseguem? Somente roubando? É interessante para eles a manutenção deste negócio, visto que os bolsos estão recheados com dinheiro retirado de famílias destruídas pelo vício. E quem não admite a derrota para as drogas está enganando outrem, ou a si próprio, quero acreditar que por pura ingenuidade.

Ida à boca coloca vida de usuários em risco / Foto: Reprodução

Ida à boca coloca vida de usuários em risco / Foto: Reprodução

Não falemos que a medica incentiva o uso da droga, até porque a legalização deve vir junto a uma campanha forte de conscientização mostrando o quão acarreta problemas o uso da maconha, assim como o álcool e o cigarro. Deve-se criar diversas casas de recuperação com estrutura suficiente para a cura. Deve-se apresentar a religião e a vida correta. Deve-se empregar os jovens, socializá-los. Eles não são bandidos, são pessoas entregues ao vício. Podemos assim, criar uma nova cultura no país. Não é impossível. O consumo do cigarro diminuiu graças às excelentes conscientizações criadas nos governos de FHC e Lula. Por que não usá-los agora?

E quanto ao rapaz, novo, que poderia buscar a maconha em uma farmácia e usá-la em clubes próprios para isso rendendo renda de impostos ao governo, hoje faz-se diferente: Ele passa por terríveis situações até chegar ao local de compra da droga. Sagaz, o traficante logo vai lhe oferecer a cocaína, a heroína e o crack, e então, certamente este jovem jogou sua vida fora.

@LucasCanosa – BDI

Mande seu e-mail para Lucas Canosa : lucascanosa@bastidoresdainformacao.com.br