O caso do contrato da Record e a prefeitura de Paulínia

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

O que vai a seguir é um verdadeiro jornalismo investigativo que foi mostrado na coluna do grande jornalista Flávio Ricco.

Flávio revelou nesta semana na coluna que no contrato da TV Record com a prefeitura de Paulínia, onde a TV Record usa por 81 dias ao estúdios da cidade, a prefeitura aparece como contratante e a TV Record aparece como contratada.

Considerando que o contrato é de R$883.407,06, então, pelo que está escrito, a TV Record receberia este dinheiro ao invés de pagar.

A palavra contratante e contratada estão escritas no contrato.

Eu tenho certeza que todo contrato de uma prefeitura, como é obrigatório em qualquer lugar, passa pelo crivo da procuradoria do município, sempre ocupada por pessoas com conhecimento em direito.

Ninguém pode ter dúvidas da cultura jurídica de um procurador da prefeitura ou estado pois se não as tivesse nem estaria ali.

Acontece que no momento em que Flávio Ricco tem a posse do contrato e entra em contato com as partes, a prefeitura da cidade alega que houve erro de digitação e de imediato a prefeitura de Paulínia emitiu uma errata sobre o contrato.

Aí vem o mais estranho deste tipo de contrato.

Na errata invertem-se as qualificações, a prefeitura entra sendo contratada, a TV Record entre sendo contratante, mas o valor do contrato é mostrado inicialmente sendo de R$883.407,06 mas, e sempre tem um mas, em verdade a TV Record pagaria apenas R$88.340,71 sob alegação de um decreto de número 6624 que teria sido assinado este ano em 11 de março de 2014.

Fica a grande questão sem resposta até agora que é o motivo de que no contrato anterior, onde a TV Record entrava sendo contratada recebendo R$883.407,06 e agora que passa ao papel de contratante ter que pagar apenas 10% do valor do contrato.

Vamos deixar claro que a errata da prefeitura aconteceu tão somente depois da entrada do jornalista Flávio Ricco no caso e publicada na data de ontem com esta alteração estranha de valores a serem pagos.

Meu avô era caçador por hobby e me contava que algumas vezes ele atirava no que via e acertava no que nem tinha visto. 

 

Mande seu e-mail para James Akel : jamesakel@bastidoresdainformacao.com.br

Deixe uma resposta