O Albergue, uma história real

Depois da história de Lorraine Warren, a caçadora de demônios…

arquivo do horror

O filme O Albergue (Hostel, 2005) foi dirigido por Eli Roth e produzido por Quentin Tarantino, tornando-se bastante famoso entre os fãs de obras do gênero Jogos Mortais e afins, tanto que possui duas sequências. 

Violência, sadismo e sexo são os principais ingredientes da obra, mas seria ela apenas um filme de ficção ou há algo de real por trás dele?  

albergue 2

Na história, uma dupla de jovens americanos viaja à Europa como mochileiros, hospedando-se em albergues para que o custo da viagem seja reduzido. Eles visitam diversos países do continente e acabam se encontrando com um islandês que lhes passa a dica de que na Eslováquia poderiam saciar todos seus desejos mais libidinosos. 

Obviamente eles não resistem à tentação e seguem para terras eslovacas. 

Mas a dupla acaba descobrindo, tarde demais, ter sido atraída para uma armadilha e que ela saciará sim os desejos mais bizarros, não os seus próprios, mas os de milionários com uma noção de diversão nada ortodoxa. 

Sim, a história é bastante sinistra e atende plenamente aos apelos daqueles que anseiam por violência, tortura e sadismo. 

O que poucas pessoas sabem é que a história do filme foi baseada em fatos. 

Ela se baseia em uma notícia verídica de que próximo à Nova Dehli, na Índia, havia um vilarejo onde milionários de todas as partes do mundo se hospedavam em busca de prazeres que só ali eram encontrados. Entre as décadas de 70 e 80, nos arredores do tal vilarejo, família miseráveis vendiam seus filhos por quantias bastante generosas, desconhecendo o que deles seria feito. 

Essas crianças/jovens eram então enjauladas como animais e ficavam aguardando um comprador, que as levava até um local especialmente reservado para que, assim como no filme, fossem torturadas até a morte. 

A notícia relata que foram mais de 1200 vítimas e que o “parque de diversões macabro” só acabou quando uma das mães, arrependida de ter vendido seu filho, foi até a polícia e denunciou o que lá acontecia.  

Porém há rumores de que esse “clube secreto” não era uma exclusividade indiana e que locais como aquele existiam, e ainda podem existir, em várias partes do mundo. 

O esquema seria acobertado sobretudo em virtude de gigantescos montantes de dinheiro envolvidos, capazes de comprar o silêncio das autoridades locais. 

albergue 1

Pura ficção? 

Talvez não, basta constatar que só na cidade de São Paulo 57 pessoas desaparecem por dia, e em todo o Brasil, são 200 mil desaparecidos por ano, por exemplo. 

Alguém duvida que a história do filme possa ser verdadeira? 

Na próxima semana…

suir lang chamada

Embora estejamos mais familiarizados com os mitos e as lendas ocidentais, o Oriente também está repleto de histórias muito curiosas, e horripilantes. 

Apresentarei três figuras do folclore malaio-indonésio: o Pontianak (também conhecido como Matianak), o Suir Lang e o Kuntilanak. 

Novidade:

Apresento a vocês a terceira chamada da nossa WebTV. O vídeo, neste caso, é focado em terror. Vamos mostrar o que é fato e o que é mito, especialmente em locais macabros da cidade de São Paulo.

Arquivo do Horror, toda quarta-feira, às 20h, no BDI.

@oscarmendesf / Site oficial do autor

Mande e-mail para o colunista: oscarmendes@bastidoresdainformacao.com.br