Mulher no volante, perigo constante?

Alvo de piadas, brincadeiras de mau gosto e irritação dos homens, é o que mais se escuta quando o assunto é mulher no volante. Trabalhar fora, levar os filhos à escola, fazer compras e passear, são atividades que ninguém dispensa o uso de um carro. É o motivo pelo qual a vontade de dirigir aumenta constantemente no sexo feminino, visto que antes era difícil de encontrar, muitas vezes por medo ou sentimento de inferioridade em relação ao homem, mas isso vem mudando. Hoje a auto escola divulga um número significante na procura, além de maior a demanda, a faixa etária também é de impressionar, com apenas 18 anos, as garotas já querem estar no comando de um veículo.

A alemã Bertha Benz foi a primeira mulher a dirigir um carro, no ano de 1885, percorrendo 13 km/h. Ela não parou por aí, com seus dois filhos fez uma viagem de 104 km, provando que o carro poderia ser comercializado, com isso, a esposa de Karl Benz (Bertha Benz), envolvida com o trabalho em questão, fez uma ótima jogada de marketing, contando também, que, durante a viagem soube lidar muito bem com eventuais problemas, como, falta de combustível e mecânica. Segundo Elisa Asinelli do Nascimento, diretora da Federação Brasileira de Veículos Antigos do Paraná e diretora executiva da Mercedes-Benz Club Brasil do estado, a primeira relação da mulher com o automóvel foi por amor de uma esposa por seu marido”.

Você já deve ter presenciado frases do tipo “Só podia ser mulher”, “Mulher no volante, perigo constante” , etc. Só esquecem que os mesmos machistas que insistem em dizer essas piadas, cometem gafes piores. Esquecer de ligar a seta, errar a marcha, andar lentamente e ter que engolir no seco aquele xingamento no trânsito, são características que não pertencem somente as mulheres.

Em uma pesquisa realizada nos Estados Unidos avaliando 6,5 milhões de ocorrências de trânsito em 1998 e 2007, concluiu-se que as mulheres se envolvem mais em acidentes do tipo, porém, as coisas vêm mudando, Segundo números do Detran no Anuário de 2010, 74% dos acidentes ocorridos no ano envolveram homens.
Fazer uma brincadeira é perdoável, todavia, insistir na tecla de que as mulheres não são boas para comandar as máquinas é ignorância. Cuidadosas o bastante, e vaidosas ao ponto de utilizar o retrovisor para passar um batom enquanto o farol está fechado, a mulherada vem participando cada vez mais do trânsito das cidades. A responsabilidade e o jeitinho preocupado delas é tão notório, que faz com que as seguradoras forneçam descontos e cubram maiores deslizes.

A Presidente Dilma lançou na sexta feira (21/11) a “Campanha pelo trânsito”, que tem o objetivo de reduzir acidentes e mortes, as ações fazem parte da Semana Nacional do Trânsito de 2012, que começou em 18 de Novembro e encerrou-se no Domingo (25). Esteve presente no evento a atriz Cissa Guimarães, cujo filho foi vítima de um acidente no trânsito. É importante observar que, isso é responsabilidade social, valores que deixam de se tornar bobagens e rinchas entre sexo feminino e masculino e tornam-se números de vidas perdidas.

Ligar um carro e sair às ruas, indepentdente do objetivo é uma grande responsabilidade, é importante que o motorista saiba que além de estar arriscando a própria vida, arrisca a de outros, seja homem ou mulher. O principal fato a ser abordado é que nos dias de hoje possuir um carro deixou de ser apenas status e comodidade, e sim, uma necessidade, principalmente às mulheres, que, em grande maioria não enxergam a máquina como um troféu, e sim, uma ferramenta de auxílio para a rotina moderna. Que isso sirva de incentivo àquelas que tanto sentem medo de enfrentar as ruas, no começo tudo pode parecer complicado, mas nada que a prática não as faça superar.

E agora fica a nós, mulheres, mostrarmos na prática que temos competência e habilidade suficiente para dirigir em todos os sentidos às ruas das cidades mais movimentadas do país e do mundo, fazendo com que sejamos respeitadas e que a famosa frase “Mulher no volante, perigo constante” seja substituída por “mulher no volante, segurança o bastante”.

@babysaryne

Mande seu e-mail para Bárbara Saryne : barbarasaryne@bastidoresdainformacao.com.br

Deixe uma resposta