Mortes por Covid sobem depois de festas de fim de ano

Foto: Divulgação

O efeito das aglomerações nas festas de fim de ano já começa a se refletir no aumento de óbitos e internações nos hospitais públicos e privados na cidade e no estado de São Paulo.

No estado, as internações subiram 19% nas últimas duas semanas (entre 29 de dezembro a 12 de janeiro): de 11.070 para 13.175. A taxa de ocupação de leitos está em 66,3%.

O estado ainda registrou 2.467 novos óbitos: de 46.195 para 48.662.

Na capital paulista, nesse período, o total de mortes passou de 16.163 para 16.990. Foram 827 novos óbitos, um aumento de 5,5% em relação a todo período da pandemia em apenas 14 dias.

Nas duas semanas anteriores (de 16 a 29 de dezembro), ocorreram 462 novas mortes, o que resulta em um aumento de 79% entre os dois períodos, segundo análise do projeto Info Tracker, da Unesp e da USP.

As internações em hospitais públicos municipais, em enfermarias e UTIs, cresceram cerca de 13% em duas semanas, de 1.868 para 2.103.

Dos 43 distritos da capital paulista que têm hospitais com leitos para tratamento da Covid-19, houve aumento de hospitalizações em 32.

Hospitais privados paulistas também registram aumento de internações por Covid, segundo levantamento do SindHosp (sindicato dos hospitais, clínicas e laboratórios paulistas) em 76 instituições.

Em dezembro, 40% dos leitos clínicos e de UTI estavam dedicados à Covid. Hoje são em torno de 60%.

Segundo Francisco Balestrin, presidente do SindHosp, embora as taxas de ocupação permaneçam semelhantes —em torno de 84% (UTI) e 65% (leitos clínicos)—, o espaço dedicado a pacientes com Covid aumentou bastante nas últimas semanas.

“Parece comentário de tia velha e chata, que está sempre dizendo que vai piorar, mas vai piorar. As pessoas não estão levando a sério as regras de ouro, como uso de máscara e evitar aglomerações.”

No Hospital Israelita Albert Einstein (SP), o número de internados por Covid-19 nesta terça (12) bateu recorde e foi o maior desde o primeiro caso diagnosticado pela instituição, em fevereiro de 2020: 140 doentes, contra 138 em abril. Em dezembro, o número de pacientes com Covid oscilava entre 108 e 110.

No Hospital Sírio-Libanês, a taxa de ocupação de leitos para Covid está em torno de 90%, com 174 pacientes internados, sendo 47 na UTI.

Segundo Fernando Ganem, diretor de governança clínica do Sírio-Libanês, também tem chamado atenção um aumento de 20% no movimento do pronto-socorro de pessoas jovens, assintomáticas, que se aglomeraram no final do ano e agora querem fazer o teste para ver se têm Covid.

“Muitas famílias estão exigindo que os seus jovens que foram para festas no final do ano façam os testes antes de voltar para suas casas”, diz.

Há um consenso entre todos os médicos do comitê de contingenciamento de que São Paulo deve chegar em um novo pico de contaminações e internações em uma semana. Para eles, isso é uma consequência direta das aglomerações das festas de fim de ano.

Deixe uma resposta