Médicos e pacientes relatam efeitos colaterais graves do ‘tratamento precoce’ contra Covid

Foto: Divulgação

Edson José da Rocha, 51, recebeu o diagnóstico de Covid-19, veio junto a indicação do chamado “tratamento precoce”, com drogas como azitromicina e ivermectina. Quando foi internado com a doença, foi a vez da cloroquina e, logo em seguida, passou a sentir uma sensação estranha no peito. Logo depois vieram a piora e, menos de um mês após a entrada no hospital, a morte.

Quem conta a história de Edson é sua irmã, Ivone Meneguella, médica intensivista de hospitais em Campinas (SP). Segundo ela, uma arritmia cardíaca e a piora do quadro clínico ficaram claras após o terceiro comprimido de cloroquina que o irmão tomou, apesar do apelo que ela tinha feito aos seus médicos de não dar a droga por causa do histórico de arritmias na família.

Após o início da medicação, Edson também desenvolveu grande cansaço, dores na barriga, diarreia e desidratação.

“Eu sinto o meu coração bater na boca”, dizia Edson, segundo conta Ivone.

O policial penal morreu em 26 de agosto do ano passado, segundo á Folha.

Os medicamentos do “tratamento precoce” da Covid-19 estimulado pelo Ministério da Saúde e pelo Bolsonaro (sem partido) podem causar arritmia cardíaca, sangramentos e inflamação no fígado, segundo especialistas.

Após um ano de pandemia e dezenas de estudos, a cloroquina, a hidroxicloroquina e a azitromicina não mostraram efeito benéfico no tratamento da doença, e não há estudo convincente sobre a eficácia antiviral da ivermectina.

Em nota conjunta, a Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) e a Associação Médica Brasileira (AMB) afirmam que as melhores evidências científicas demonstram que nenhuma medicação tem eficácia na prevenção ou no tratamento precoce para a Covid-19 até o presente momento.

Sulfato de Hidroxicloroquina

  • Lesão na retina
  • Hipoglicemia
  • Insuficiência cardíaca
  • Arritmias
  • Morte súbita

Cloroquina

  • Cegueira
  • Lesão na retina
  • Perda auditiva
  • Insuficiência cardíaca
  • Arritmias
  • Distúrbios neurológicos

Ivermectina

  • Tontura
  • Sonolência
  • Lesões na pele
  • Diminuição da pressão arterial
  • Aumento da frequência cardíaca

Azitromicina

  • Distúrbios de paladar e olfato
  • Disfunções auditivas
  • Arritmias
  • Inflamação no pâncreas
  • Dor abdominal
  • Insuficiência hepática

Efeitos que podem ser produzidos por qualquer remédio em automedicação

  • Irritação gastrintestinal
  • Inflamação do fígado (hepatite)
  • Diarreia
  • Náuseas

Fontes: EMS, Cristália, Abbott e Eurofarma

Deixe uma resposta