Mais de 80 pessoas são presas por prostituição e garimpo em área Yanomani

(Foto: Reprodução/Funai)
(Foto: Reprodução/Funai)

Durante as atividades da “Korekorema II”, mais de 80 pessoas foram presas por prática de garimpo e prostituição na Terra Indígena Yanomani, no nordeste de Roraima. A ação foi feita na região de Waicais, a 300 quilômetros da capital Boa Vista. A operação visa o combate à permanência ilegal em área de reserva indígena e teve início na quinta-feira (27).

Apoiando a Fundação Nacional do Índio (Funai), doze policiais militares atuam no local. Em entrevista ao G1, o coordenador da Frente de Proteção Etnoambiental Yanomani e Ye’kuana, João Catalano, explicou o processo. “Os garimpeiros e as pessoas que estão com eles estavam vivendo ilegalmente na cabeceira do rio Uraricoera e cometendo vários crimes juntamente com a prática do garimpo. Além disso, os índios nativos da região estavam sendo feitos reféns por eles”, disse.

Membros da Frente de Proteção Etnoambiental Yanomami e Ye’kuana, da Funai, Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) e 12 homens da Polícia Militar participam da ‘Korekorema II’, que significia ‘panela velha’ na língua Yanomami.

Deixe uma resposta