Mais 58 ativos e dois projetos são aprovados em reunião sobre investimentos

Foto: Marcos Corrêa/PR

O Presidente Jair Bolsonaro presidiu, nesta quarta-feira (2), a última reunião do ano do Conselho do Programa de Parceria de Investimentos (PPI). No encontro, foram incluídos na carteira do conselho 58 ativos e dois projetos em áreas como infraestrutura, energia, meio ambiente e turismo. Um montante de cerca de R$ 20 bilhões. Para 2021, a previsão é leiloar mais 115 ativos com um investimento esperado de R$ 367 bilhões.

Entre os destaques das resoluções qualificadas estão:

– Leilões de transmissão e geração de energia elétrica e apoio ao licenciamento ambiental de duas usinas hidrelétricas no Paraná;

– Aprovação de estudos para a realização de parcerias público-privadas para operação de 16 aeroportos operados pela Infraero, em 3 blocos (RJ-MG; SP-MS e Norte);

– Aprovação de estudos para a realização de parcerias público-privadas para operação em oito aeroportos no estado do Amazonas;

– Arrendamentos portuários e desestatização dos Portos Organizados de Salvador, Aratu e Ilheus;

– Relicitação da concessão da rodovia BR-163/MS e da ferrovia Malha Oeste, e renovação antecipada da Malha Sul; e

– Projetos de concessão florestais para manejo sustentável no Amazonas.

Balanço de 2020

Um balanço dos principais projetos que o Governo Federal conseguiu avançar em 2020 também foi apresentado. Neste ano, já foram promovidos 18 leilões e projetos. A previsão é concluir mais 11. Um total de 29 leilões e projetos, com a expectativa de investimentos de R$ 39,1 bilhões e outorgas de R$ 4,7 bilhões.

Entre eles, estão a assinatura de renovação da concessão da Ferrovia Rumo – Malha Paulista, que trará investimentos de quase R$ 6 bilhões (R$ 5,78 bilhões) e o leilão da rodovia da BR-101 em Santa Catarina, que prevê investimentos de R$ 3,4 bilhões.

No setor de portos, foram feitos dois leilões de terminais em Santos, que prevê investimentos de R$ 380 milhões. E na área de mineração, um leilão, para a arrematação de 169 áreas para investimentos em pesquisas.

Deixe uma resposta