Opinião: a hipocrisia da turma de Lula

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Hoje vamos voltar no passado, meus amigos! Para ser mais específico, no ano de 1989, quando disputavam a eleição presidencial Lula e Fernando Collor. De um lado, o primeiro, mal vestido, barbudo, operário, simbolizando o povo mais humilde do país. De outro, um tanto quanto “mauricinho”, o segundo, já oriundo de uma família nordestina milionária, bem no estilo coronel, mesmo.

Houve um episódio lamentável naquele ano. O debate das grandes emissoras do país foi longo e pesado, tão duro quanto os realizados em 2014. Pior que isso, foi a edição de melhores momentos exibida no Jornal Nacional no dia seguinte. Totalmente tendencioso, o vídeo cortava frases do petista em prol do favorecimento de seu adversário, que ganhou uma das eleições mais sujas de nossa história. 

Collor enganou o povo, assumiu e levou o dinheiro de nossas poupanças, deixou o país quebrado, os cidadãos perdidos, sem um tostão no bolso, a inflação em índices inimagináveis, as transações sendo realizadas em dólar, porque o cruzeiro não tinha potência e a esperança de um povo que havia acabado de deixar a ditadura, quase no chão. Sofreu impeachment e nunca mais ousou disputar a presidência.

Neste cenário, chegaram Itamar Franco e Fernando Henrique Cardoso, e em vista das condições desumanas do Brasil até então, arquitetaram o Plano Real (o PT era contra) que não livrou o Brasil da pobreza, não totalmente, mas deu ao Lula condições melhores para trabalhar.

Lula deu continuidade nos programas, fez o que fez com mensalão e deu sim e governou o país com o maior caso de corrupção da história. Aquele rapaz se transformou em um falso esquerdista amante do dinheiro e extremamente ambicioso e entregou a chave na mão de Dilma, de seu partido, o PT que trouxe o retrocesso.  Depois, em 2014, a gente assistiu Fernando Collor declarando amor e amizade. A coerência não é o forte da turma de Roussef. Quem é Lula pra falar de socialismo quando já o vimos ao já citado, ao Sarney, ao Temer, ao Calheiros e ao Maluf? Após o impeachment, Temer virou golpista. Antes era exemplo.

Deixe uma resposta