Lenda da cigana Azaléa

No Oriente da Idade Antiga havia uma rainha, que não mexia as pernas, chamada Léa. Além disto, esta monarca não conseguia engravidar. Num dia de primavera, ela estava no jardim conversando com as flores e desabafou perto de um girassol:

– Como eu queria voar e engravidar!

O girassol falou:

– Você ficará gestante de uma menina que lhe dará asas. Mas para sua filha viver, ela nunca deverá tocar num homem na vida. Portanto, é melhor que a garota viva afastada da sociedade.

Depois de nove meses, Léa teve uma garota. No mesmo dia criou asas e conseguiu voar. Por isto batizou a sua filha de:

– Asas da Léa.

Porém, por causa do pacto com o girassol, trancou sua filha na torre de um castelo.

A garota cresceu. Assim da janela, a adolescente via o girassol e se apaixonou por ele. Mas não contou sobre seu amor para ninguém. O problema foi que, numa madrugada de inverno, sua mãe morreu de tuberculose.

Assim esta princesa enlouqueceu, olhou para o girassol e disse:

– Como minha mãe faleceu e estou apaixonada por você, me jogarei do jardim para viver o nosso amor.

Ao cair na terra, a moça se transformou em uma flor da cor rosa pink. No mesmo instante uma caravana de ciganos, que passava, resolveu montar acampamento perto do castelo.

Leila, a shuvani com poderes sobrenaturais do clã, resolveu passear pelo jardim, viu a flor pink e perguntou:

– Linda planta, qual é o seu nome?

O girassol emitiu o seguinte som:

– Ela se chama Asas da Léa.

A cigana entendeu:

– Azálea!

Assim ela levou a flor até sua tenda onde colocou a pobre em um vaso com água. Mas ela percebeu que em toda a noite de festa, esta azaléa se transformava numa donzela com saia rodada da mesma cor das pétalas da flor e saía para bailar com o clã. Então, no final da dança, quando Azálea decidia cair levemente ao chão, parecia que os babados de sua saia se transformavam em pétalas de flor. Deste jeito a donzela deixava o ambiente perfumado e era aplaudida.

Assim nasceu a lenda da flor cigana chamada Azálea.

Luciana do Rocio Mallon

Deixe uma resposta