Lagoa Rodrigo de Freitas será o palco para a emocionante canoagem de velocidade nas Olimpíadas do Rio 2016

janeiro1
(Foto:Reprodução)

Imagina poder acompanhar de perto uma disputa que é decidida por milésimos de segundo?  Sem dúvida, é algo marcante e sensacional.  Se na semana passada já perdemos o fôlego só de conhecer um pouquinho da canoagem slalom, prepare-se, porque a canoagem de velocidade – nosso tema de hoje –  traz muito mais emoções.  

Ao contrário da canoagem slalom, que é disputada em águas turbulentas; a canoagem de velocidade tem como cenário águas calmas. As disputas são feitas em linha retas, e vence quem fizer o menor tempo, ou melhor dizendo, quem chegar primeiro.  

Neste percurso, podemos ver a força e habilidade de cada atleta, e que para nós espectadores, muitas vezes, parece ser impossível, para eles é apenas questão atitude.  

Você deve se perguntar qual a diferenças entre embarcações, porque um tem uma canoa de um jeito e a do outro é diferente… 

20100305_105358_g
(Foto:Reprodução)

Vamos conhecer as características das embarcações? 

Os barcos são identificados pelas letras K (caiaque – kayak, em inglês)  e C (canoa – canoe, em inglês) Na sequência da letra, vem o número de tripulantes. 

C-1 é uma canoa para uma pessoa. Nesta embarcação o atleta apoia-se no barco com apenas um joelho e uma remo de uma só pá.  São 5,20m de comprimento e podem pesar até 14kg.  

C-2 é canoa para duas pessoas. É uma embarcação um pouco maior, tem 6,50m de comprimento e pode pesar até 20kg, os atletas também apoiam apenas um joelho no assoalho e usam remo de uma pá.  

K-1 é um caiaque para uma pessoa. Nesta embarcação o atleta fica sentado e utiliza remo de duas pás. Também mede 5,20m e pesa 12kg.  

K-2 é um caiaque para duas pessoas. Os atletas também ficam sentados e utilizam remos de duas pás. A embarcação mede 6,50m e pesa no mínimo 18kg.  

Agora, para quem não sabe, tem também o K-4. Sim,  uma caiaque com quatro tripulantes competem sentados e usam remos de duas pás. Esta embarcação mede 11h e pesa 30kg.  

Bacana, não é mesmo? E você sabe o que é uma Amuada, Boca, Esteira? Não? Não se preocupe, eu explico:  

Amuada é borda superior lateral de uma canoa.   

Boca é parte mais larga da canoa.  

Esteira é a trilha de água deixada por uma canoa em movimento. 

 

20090403_110221_g
(Foto:Reprodução)

Agora que você já sabe as regras do jogo, vamos conhecer um pouco da história desse esporte:  

A canoagem de velocidade tem por sua característica o duelo entre embarcação, já que os atletas competem lado a lado e não um por vez. Por esta razão, nas provas, as canoas ou caiaques devem ficar a uma distância lateral de pelo menos 5m dos adversários para que não interfiram no desempenho dos rivais. O charme da competição está vem o oponente e acelerar até o ultimo instante, para chegar a frente ao final da prova. Na prática, é só emoção!  

As primeiras competições de canoagem velocidade ocorreram em meados do século XIX. Antes de entrar oficialmente no programa Olímpico, em Berlim 1936, a canoagem velocidade participou dos Jogos de Paris 1924 como esporte demonstração. As disputas femininas tiveram início mais tarde, nos Jogos Londres 1948. 

Um dos fatos marcantes do esporte ocorreu em Seul 1988, foi uma disputa emocionante. Greg Barton, dos EUA, venceu o K– 1.000m com menos de 1cm de vantagem sobre Grant Davies, da Austrália, sem dúvida foi de uma prova de tirar o fôlego.  

A mulherada também marcou presença canoagem velocidade. Em Londres 2012, a neozelandesa Lisa Carrington venceu a prova de 200m do caiaque e tornou-se a primeira mulher não-europeia campeã Olímpica.  

No geral,  a Alemanha lidera o quadro Olímpico de medalhas no esporte, com 40 ouros, 29 pratas e 26 bronzes. E não poderia ser diferente, já que o país carrega uma estrela do esporte.  A alemã Birgit Fisher é a recordista de medalhas Olímpicas, com oito medalhas de ouro e quatro pratas, conquistadas em três provas diferentes, entre 1980 e 2004. 

Nas Olimpíadas do Rio 2016, a Lagoa Rodrigo receberá as competições de canoagem velocidade. O local já é bastante conhecido pelo competidores e pelo público também e é certeza de grandes emoções durante o torneio.   

E ai, gostou? Quer saber mais sobre esportes olímpicos?  

Fique ligado, semana que vem tem mais “Medalha de Ouro”. Continuando na pegada dos esportes radicais, a coluna trará as emocionantes provas de ciclismo, não perca. 

Fonte: Agências/Rio2016

Amanda Souza, coluna Medalha de Ouro

Toda segunda, às 13h, no BDI

Fale com Amanda: amandasouza@bastidoresdainformacao.com.br

Deixe uma resposta