Jogadores de tênis insatisfeitos estudam criação de associação paralela ao circuito profissional

Foto: Divulgação

Jogadores insatisfeitos com a liderança atual da ATP, sob o comando do italiano Andrea Gaudenzi, estudam a criação de uma associação paralela ao circuito profissional. Os rumores ganharam força nos últimos dias, às vésperas do início do US Open, previsto para a próxima segunda-feira.

O canadense Vasek Pospisil seria um dos líderes do movimento. Ele faz parte do Conselho de Jogadores da ATP e pode ganhar o apoio de Novak Djokovic, número 1 do mundo e presidente do Conselho.

O movimento a favor da criação de uma nova associação de tenistas ganhou força na última semana após a repercussão do caso envolvendo Guido Pella e Hugo Dellien. O argentino e o boliviano ficaram isolados na bolha da USTA em Nova York, sem poder nem treinar, depois que o preparador físico deles, Juan Manuel Galván, testou positivo para a Covid-19.

Muitos jogadores chegaram a fazer um abaixo-assinado para que eles pudessem jogar o Masters 1000 de Cincinnati e manifestaram apoio para que fossem ser reinstalados na chave, mas não obtiveram sucesso. A pressão sobre os organizadores do torneio ficou maior depois que o segundo exame do preparador físico apresentou resultado negativo.

Outro fator que gerou descontentamento do grupo foi o cancelamento de toda a rodada da última quinta-feira do torneio de Cincinnati. Isso aconteceu depois que a japonesa Naomi Osaka aderiu aos protestos iniciados pelos jogadores de basquete da NBA contra o racismo e a violência policial nos Estados Unidos e anunciou que não jogaria a semifinal contra a belga Elise Mertens. Osaka pretendia conceder a vitória à rival e abandonar o torneio, mas aceitou a condição proposta pelos organizadores de paralisar o evento por um dia e voltou à quadra nesta sexta-feira.

Presidente da ATP, o italiano Andrea Gaudenzi divulgou um comunicado à imprensa a respeito do assunto. O dirigente afirma que eventuais integrantes do Conselho de Jogadores que fizerem parte dos protestos devem deixar seus cargos imediatamente.

“As discussões relacionadas a uma associação de jogadores paralela já estão circulando há algum tempo e esperamos que esta carta ajude a fornecer algum contexto para este assunto. Embora respeitemos que todos os jogadores tenham direito às suas próprias opiniões, não acreditamos que seja do melhor interesse para eles ou para o circuito que uma associação paralela coexista com a ATP”, disse Gaudenzi.

“Com isso em mente, pedimos a todos os jogadores que estão avançando neste assunto enquanto ocupam posições eleitas no Conselho de Jogadores da ATP que deixem suas posições, com efeito imediato”, acrescentou o dirigente.

Deixe uma resposta