Igrejas têm direito de alugar espaço na TV

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

A locação de espaço em TV é algo que vem desde os anos 50 e é feita de diversas maneiras.

Desde o momento que um programa tinha o nome de uma empresa no nome do programa isto não deixava de ser uma locação de espaço.

Foi Walter Clark quem acabou com a possibilidade na TV Globo de se anexar o nome do anunciante ao nome do programa.

O último que fez isto foi o Jornal Nacional, que ao contrário do que muita gente pensa, não é Jornal Nacional por falar do Brasil.

O Jornal Nacional teve este nome porque Magalhães Pinto, que era dono do Banco Nacional, foi um dos financiadores do Golpe de 64 e foi convocado a pagar a conta de um noticiário na TV Globo que pudesse ser a voz do Regime Militar disfarçado de jornalismo.

Então Magalhães Pinto aceitou pagar a conta desde que o nome do seu Banco estivesse no nome do Programa.

Na verdade era Jornal do Banco Nacional.

O nome original seria Jornal da Globo mas por determinação de Magalhães Pinto passou a se chamar Jornal Nacional.

Roberto Marinho aceitou porque isso fazia parte da estratégia do Regime Militar, assim igual a criação da Rede Globo de TV que também fez parte da base do Regime Militar.

Tanto na TV Record, quanto na TV Paulista quanto na Tupi, as locações de espaço, quer seja de maneira direta quanto indireta sempre foram feitas e nada de mal tem nisto pois faz parte do mercado.

Tudo que faz parte do mercado faz parte da sociedade.

Se algo está fora das necessidades de mercado o objeto é rejeitado pela sociedade.

Querer impedir que uma emissora de TV alugue espaço pras Igrejas não tem a menor razão de ser.

A locação direta é uma maneira mais em conta de se negociar.

Se alguém um dia criar uma lei impedindo tal ato, a emissora de TV vai e cria um programa de caráter religioso por conta própria , contrata de maneira fantasiosa toda equipe de bispos para receberem salário da emissora e vende o espaço comercial de patrocínio pra Igreja e ainda tira nota fiscal.

Querer proibir que uma emissora venda horário pra Igreja é preconceituoso e fora de propósito além de ser algo contra a lei de oferta e procura.

Quem não desejar ver programa religioso muda de canal e vai ver desenho e novela.

Mande seu e-mail para James Akel : jamesakel@bastidoresdainformacao.com.br

Deixe uma resposta