Desejado pelos Pelicans, Marquinhos diz: “Eu me sinto mais perto do Fla”

basquete_flamengo2_amandakestelman
(Foto: Amanda Kestelman)

A fisionomia cansada e a fala mansa retratam bem a atmosfera vivida por Marquinhos nos últimos sete dias. Com uma proposta do New Orleans Pelicans nas mãos e a decisão da Copa Intercontinental, contra o Maccabi Tel Aviv, na cabeça, o ala do Flamengo viveu uma semana complicada. Esgotado fisicamente e mentalmente em virtude do pouco tempo, ou quase nenhum, de descanso entre a participação da seleção na Copa do Mundo de Basquete da Espanha e a preparação para os dois jogos mais importantes da história do clube rubro-negro, o camisa 11 deixou a Arena da Barra, no domingo, com o sentimento do dever cumprido, mas dividido entre a razão de cumprir seu contrato com o campeão intercontinental e o desejo de voltar à NBA.

Longe do calor da decisão e sem a adrenalina que elevou seus batimentos diante do campeão da Euroliga, Marquinhos mostrou serenidade ao falar sobre o assunto nesta segunda-feira antes de sua participação no Globo Esporte, ao lado do técnico José Neto e dos companheiros Marcelinho, Olivinha e Nico Laprovittola, MVP (jogador mais valioso) da competição.

Sem rodeios, o camisa 11 do Flamengo confirmou o desejo de retornar à NBA seis anos depois de sua primeira passagem pelo basquete americano e explicou em que pé andam as negociações com a franquia da Louisiana.

– Essa semana foi bem difícil para mim. Eu e o Marcelinho talvez sejamos os únicos atletas no mundo que jogamos 20 partidas em 50 dias. Mal voltamos do Mundial e já começamos a treinar com o Flamengo, nem tivemos tempo para descansar. As negociações com os Pelicans começaram logo após a Copa do Mundo e continuam em andamento. Foi complicado porque era para ser uma coisa sigilosa e eu não podia deixar que isso me abalasse psicologicamente nos dois jogos. O que está pegando é o tempo de contrato. Eles me ofereceram um acordo por uma temporada, com a possibilidade de renovação por mais uma, enquanto eu gostaria de assinar por, no mínimo, duas – destacou Marquinhos.

Deixe uma resposta