Declaração de Andrés gera nota de repúdio de comunidade armênia

Foto: Rodrigo Coca/ Ag. Corinthians

O Comitê das Entidades da Coletividade Armênia do Brasil emitiu na última quarta-feira uma carta aberta ao presidente Andrés Sanchez, do Corinthians, em que se diz indignado por o dirigente ter feito uma “generalização” ao chamar de “turco” um brasileiro descendente de armênios. Andrés, também em carta, se desculpou.

A declaração foi feita em entrevista coletiva no último dia 25. O dirigente usou os microfones para mandar um recado para um membro da oposição.

– Tem gente falando que a gente, no Parque São Jorge, precisa de professor de português. O duro é que é um turco indicando professor de português. Infelizmente, realmente, muitos corintianos precisam. Como eu, que não tenho formação universitária, fiz o ginásio malfeito, mas se a gente precisar, temos capacidade de procurar um professor de português, não precisa de um turco indicar, não – disse, causando confusão no jornalista que iria fazer sua pergunta, antes de emendar:

– Para quem eu falei, sabe.

Embora Andrés Sanchez não tenha citado nomes, a comunidade armênia entendeu a provocação como sendo para Sergio Janikian, da chapa “Reconstrução Corinthiana”, que tem Mário Gobbi Filho como candidato.

Janikian foi diretor de futebol em 2015 e saiu após a eliminação do Timão para o Guaraní do Paraguai, dias depois de comemorar “um presente de Deus” pelo adversário do sorteio.

Ao todo, 13 entidades assinam a nota. Diretor de Comunicação da Diocese da Igreja Apostólica Armênia do Brasil, Vasken Yeginerian explicou o motivo da revolta:

– É a mesma coisa que chamar um judeu de nazista. Quando você chama um armênio de turco, você ofende uma comunidade inteira. A colônia ficou indignada.

Veja a carta aberta:

Comitê das Entidades da Coletividade Armênia do Brasil
São Paulo, 29 de julho de 2020.

CARTA ABERTA AO PRESIDENTE DO SPORT CLUB CORINTHIANS PAULISTA SR. ANDRÉS NAVARRO SANCHEZ

A Comunidade Armênia do Brasil vem respeitosamente se manifestar sobre a entrevista coletiva concedida pelo notório presidente do Sport Club Corinthians Paulista Andrés Navarro Sanchez, em 25 de julho de 2020.

Em abril de 1915, o Império Turco Otomano perpetrou contra o povo armênio aquele que seria conhecido como o primeiro genocídio do Século 20, em que cerca de 1,5 milhão de armênios foram perseguidos e massacrados de maneira vil e impiedosa.

Com relação a este triste evento, o Sr. Andrés Navarro Sanchez nos honrou com a permissão da entrada de uma faixa alusiva a este genocídio, carregada pelo time, no jogo Corinthians e Chapecoense, realizado em 24/04/2019.

Esta nobre consideração nos deixou muito honrados e ensejou de nossa parte os devidos agradecimentos em carta enviada diretamente ao Sr. Andrés Navarro Sanchez.

Sendo assim, nossa perplexidade transcende os assuntos internos do Sport Club Corinthians Paulista e as diferenças que possam existir dentro das várias correntes internas do clube.

O fato é que nossa Comunidade se sentiu indignada com relação à generalização atribuída a um brasileiro descendente de armênios que faz parte do clube, chamando-o de turco durante entrevista coletiva que foi concedida no último sábado, dia 25 de julho deste ano, a todos os grandes órgãos da imprensa esportiva.

A história de sofrimento de nosso povo impingida pelo Império Turco Otomano não pode ser arranhada ou desprezada com colocações dessa natureza.

Como agravo a esta situação, nesta semana o povo armênio foi mais uma vez covardemente atacado pelo Governo do Azerbaijão com o apoio explícito do Governo turco.

Na certeza de vossa compreensão e autocrítica, com a dimensão histórica dos fatos e considerando a grande estima que temos por sua pessoa, estamos certos de que haverá de sua parte a devida retratação para com a Comunidade Armênia do Brasil.

Atenciosamente,

  • Associação Beneficente de Damas Brasil Armênia HOM filial Arpi – Silva V. Kahtalian
  • Associação Beneficente de Damas Brasil Armênia HOM filialMassis -Sonia Sanazar Tarpinian
  • Associação Cultural Armênia De São Paulo – ACASP – TroGomidé – Nigol Nigoghosian
  • Associação Educacional e Cultural Hamazkayin – Garo Hovhannesian
  • Comunidade Armênia de Osasco – Paulo Tarpinian Junior
  • CNA – Conselho Nacional Armênia do Brasil – Vartine Simone Kalaidjian
  • Diocese da Igreja Apostólica Armênia do Brasil – Bispo Nareg Berberian
  • – Presidente do Conselho Representativo da DIAAB – André Kissajikian
  • – Presidente da Diretoria Executiva de SP da DIAAB – Dikran Kiulhtzian
  • Fundo Nacional Armênia – João Carlos Boyadjian
  • Igreja Central Evangélica Armênia de São Paulo -Vartan Moumdjian
  • Paróquia Armênia Católica São Gregório Iluminador – Padre Antonio Francisco Lelo
  • Sama – Clube Armênio – Sérgio Krikor Arakelian
  • Sociedade Beneficente e Cultural Marachá – Azad Gananian
  • União Geral Armênia de Beneficência – Haig Apovian

Pedido de desculpas

Andrés pediu desculpas:

– Escrevo não para me justificar e sim para pedir desculpas. Saber que feri os sentimentos nacionais de um povo tão sofrido me enche de tristeza. Não há justificativa, meu linguajar solto teve o condão de ferir um povo altivo, mas machucado, algo que viola os mais básicos ensinamentos recebidos de meus pais – diz carta assinada por Andrés.

Deixe uma resposta