De Frente com Gabi recebe Tato do Falamansa neste domingo‏

(Crédito: Carol Soares/SBT)
(Crédito: Carol Soares/SBT)

No De Frente Com Gabi deste domingo, 07 de setembro, Marília Gabriela recebe o cantor e compositor Tato do grupo Falamansa. Ele fala na entrevista sobre o início da carreira, sobre o tempo que morou no exterior, sua cirurgia para retirada de um tumor, vida pessoal e os planos para o futuro.

Confira as melhores frases da entrevista:

· Fiz um intercâmbio para a Alemanha e morei em um vilarejo de 500 habitantes.

· Meu pai canta muito bem, já participou de programas de calouros, então a música estava sempre presente em casa.

· Desde os 12 anos eu já escrevia músicas, gostava muito de compor.

· Prestei vestibular para publicidade e passei. Queria algo que envolvesse escrita criativa.

· Zabumba, triângulo e sanfona mudaram a minha vida.

· Eu entendo os discos do Falamansa até como uma autoajuda e talvez isso soe um pouco antiquado. Hoje é mais aquela coisa da “sacanagenzinha”.

· A música é um meio de educar ou deseducar e a linguagem sacana funciona para a diversão, mas não para a educação.

· Não conseguiria fazer músicas no estilo do sertanejo universitário.

· O forró está crescendo na Europa e eles dançam, sim.

· Demorei cinco anos até descobrir, pois eu tinha muita dor na cabeça, todos os dias. Aquilo já se desenvolvia há uns 15 anos e tive que operar dois dias após descobrir. Sabiam que não era maligno, mas foi preciso retirar com urgência. Depois de 24 dias eu já estava tocando de novo. (sobre a descoberta de um tumor no cérebro)

· As frutas podres não são mais vistas como podres. Quando nos acostumamos com isso, fica mais difícil de mudar. (sobre política no Brasil)

O De Frente Com Gabi vai ao ar aos domingos, 0h, logo após o Programa Silvio Santos.

Deixe uma resposta