Copa Do Mundo: Gol de Di María no fim da prorrogação, leva Argentina para Quartas de Finais da Copa

dzemaili-reu
(Foto: Reuters)

A Argentina tomou a responsabilidade de tomar conta do jogo no primeiro tempo. Mesmo sem brilho, os hermanos chegaram mais vezes ao gol adversário. Não houve, porém, chances claras de gol para a Albiceleste, que tinha Messi apagado. La Nati abusou das faltas para frear o ímpeto dos sul-americanos até os 25 minutos. Depois, a Suíça passou a chegar com mais perigo. Os helvéticos, aliás, tiveram as duas melhores oportunidades no primeiro tempo, com Xhaka e Drmic, em jogadas criadas pelo habilidoso e criativo Shaqiri. Drmic, aliás, ficou cara a cara com o goleiro Romero, mas tentou, sem sucesso, encobrir o camisa 1. Com Messi e Lavezzi bem marcados, o primeiro tempo terminou no 0 a 0.

Depois de um primeiro tempo sem criar boas oportunidades de gol, a Argentina voltou mais disposta a furar o bloqueio suíço, com Messi mais presente. Rojo e Higuaín chegaram perto de marcar, mas não conseguiram passar por Benaglio. O gol parecia ser uma questão de tempo, porém os helvéticos conseguiam se segurar, na expectativa de um contra-ataque fatal. O jogo, então, virou uma espécie de ataque, da Argentina, contra defesa, da Suíça, com muita participação da torcida. Enquanto os brasileiros apoiavam os europeus, os argentinos gritavam alto em apoio à seleção. Contudo, sem inspiração de ambas as partes, o jogo caminhou para a quase sempre dramática prorrogação.

Não bastassem os mais de 90 minutos de muita emoção, a partida teve ainda uma prorrogação dramática. Com muita raça e entrega, a Argentina buscava o gol, mas sem organização. Acabou esbarrando na defesa rival. O curioso é que, como a Suíça tocava a bola para gastar o tempo e levar a decisão para os pênaltis, a torcida brasileira começou a gritar ‘Olé’, para irritação dos argentinos, que passaram a descontar no habilidoso Shaqiri.

O segundo tempo da prorrogação foi marcado pelo desgaste físico dos jogadores. Messi e Shaqiri, cada um do seu lado, chamavam o jogo àquela altura. Coube, então, ao camisa 10 da Argentina o papel de protagonista novamente. Aos 12 minutos do segundo tempo da prorrogação, Messi achou Di María livre na ponta direita. O meia chutou cruzado e fez o gol da vitória: 1 a 0, suado e sofrido. No fim, Dzemaili quase empatou, com uma cabeçada na trave. A bola ainda voltou e bateu na perna dele, mas foi para fora, para alívio de toda a Argentina.

Deixe uma resposta