Conheça o enredo da Mocidade Alegre e veja o vídeo do primeiro ensaio técnico

samba-e-fantasia-3-e1436461944681

A atual vice-campeã do carnaval de São Paulo, Mocidade Alegre, levará para o Anhembi o enredo: “Ayo a alma ancestral do samba” desenvolvido pelo departamento cultural da agremiação composto  por: Sidney França (carnavalesco da escola), Fábio Parra, Sheila Falcão e Vinicius Martins.

logoenredomocidadealegre

A Mocidade, na própria apresentação do enredo, se intitula “eterna guardiã da cultura e das heranças afro-brasileiras”, e de fato, quem conhece a comunidade e acompanha o carnaval de São Paulo sabe que a escola da presidente Solange Cruz cresce muito com esse tipo de tema.

Na busca pela origem do samba, a escola “descobriu” Ayo, que foi considerado na África ancestral o orixá da música. Sentimos a presença de ayo quando toca o tambor e nosso corpo arrepia. E por fim, trazido Oya ao Brasil deu origem ao samba, e com a proteção de Ogum se tornou um patrimônio cultural do nosso país .

O enredo é dividido em 5 setores:

 No setor 1: Xangô Liberta… O Corpo Balança, a Alma Revela… Axé, Ayọ!

O primeiro setor da escola contará o momento em que Ayo, que se encontrava dentro de um tambor, foi libertado por Xangô, com a presença de Exu, em uma grande festa. Já liberto, Ayo propagou seu axé, sendo protegido e acompanhado por Oxumaré, Omolú e Ogum .

Já no  Setor 2 – “Oyá Traz… Heranças Negras: O Semba Encontra o Novo Mundo”, a agremiação mostrará como Ayo se espalhou pelo mundo através dos ventos Oyá Iansã. No Brasil foi representado por várias culturas. Na letra do samba encontramos esse trecho : “Na revoada encontra o novo mundo”.

O setor 3, “Oxumaré Espalha… Da Lendária Bahia à Praça XI: A Luz de Ciata, a Tia do Brasil!”  será o momento em que Oxumaré espalhara o Ayo por todo Brasil  desde o interior com mineradores que cantavam em forma de reza para achar as pedras preciosas até em cidades de Minas Gerais, Bahia, São Paulo. Enfim, chegou ao Rio de Janeiro, no cais do Valongo, a praça onze, onde o “semba” enfim entrou para eternidade. Pegando a letra do samba podemos dizer que o refrão do meio representaria esse setor :

“O batuque vem da Bahia… Tem axé
Espalhado na magia que vem de Oxumaré
Na Praça Onze, um canto livre no ar
Abre a roda pro samba
Tia Ciata mandou chamar”

No quarto setor do tema  “Omolú Transforma… “Pelo Telefone” o Brasil Revela: Eu Sou o Samba!” será contado que Omolú, com seu poder, consegui fazer com que todos tambores se encontrassem em Ayo, todas as culturas oriundas de diversas localidades “se misturaram” e no que deu isso? Samba, lógico.  O ritmo, então marginalizado, rompeu barreiras conquistando o nosso país. É nesse setor que é citado o primeiro samba gravado: “Pelo Telefone”.

No último setor: “Ogum Eterniza… É Comunhão, É Escola, É Samba!”, será lembrado o surgimento das escolas de samba, mostrando que o carnaval não é apenas no Anhembi ou Sapucaí, mas sim o ano inteiro. Pagodes, partido alto e rodas de samba também são citados nesta parte da sinopse .

A Mocidade Alegre será a quarta escola a desfilar no sábado de carnaval. Veja o vídeo do primeiro ensaio técnico e escute o áudio do samba:

COMPOSITORES : GUI CRUZ/LUCIANO ROSA/PORTUGA/RAFAEL FALANGA/RODRIGO MINUETTO/VITOR GABRIEL
INTÉRPRETE : IGOR SORRISO

Ôôôô… É a força de Ayo
No Ylê da Mocidade o samba chegou!

Ecoa o batuque do tambor
Kaô, Kaô meu pai Xangô
Kaô, Kabecilê Xangô

Com seu oxé, o poder do trovão
Liberta a força que emana energia e vibração
O corpo balança, a pele arrepia
A alma revela, o som contagia
Oyá… Seus ventos que sopraram pelo ar… Eparrei Oyá!
Na revoada encontra o novo mundo
E matizado com as cores desse chão
Salve a negra herança viva da nação

O batuque vem da Bahia… Tem axé
Espalhado na magia que vem de Oxumaré
Na Praça Onze, um canto livre no ar
Abre a roda pro samba
Tia Ciata mandou chamar

Em cada canto, profano ou sagrado
É transformado pelas mãos de Omolú
“A Voz do Morro” sou eu mesmo, sim senhor!
“Pelo Telefone” o Brasil revelou: “Eu sou o samba!”
Com a luz e a proteção de Ogum Guerreiro
Sou a nobreza que invade os terreiros
Eternizado em cada coração

E quando cresci fiz escola
Sou raiz, tenho história
E o povo aclamou

“Samba & Fantasia”, todo sábado, às 20h, no BDI.

Mande seu e-mail para o colunista: marciomendes@bastidoresdainformacao.com.br

Deixe uma resposta