Choque de realidade

Por Deyvid Xavier

Foto: goal.com

Campeonato Francês não é Liga dos Campeões. Dijon, Toulouse, Amiens…Marseille, Lyon, sejam times grandes ou pequenos, somando todos, não chegam aos pés do poderoso Real Madrid. E Neymar sentiu tudo isso. Claro que a responsabilidade não é só do atacante brasileiro, afinal, no futebol são 11, mas Neymar não conseguiu fazer a diferença.

O primeiro gol foi uma jogada conjunta, já que participaram Cavani, Neymar (mesmo que não tenha tocado na bola) até a finalização de Rabiot. Mas tudo começa com a quebra de marcação de Mbappé.

Jogar contra time grande não permite erros, Lo Celso percebeu isso no pênalti infantil que cometeu. E o cometeu por correr atrás, literalmente, do adversário, já que se posicionou fora da linha de passe após a cobrança de escanteio curta. Marcelo jogou muita bola ( e joga muito mesmo), foi mais participativo que o atual melhor do mundo. Cristiano Ronaldo perdeu gols fáceis, isolando a bola, estranho para a qualidade que tem. Chutou uma falta na barreira, mas não simplesmente isso, foi na “cintura” da barreira, assim não dá! Mas uma coisa é certa: foi decisivo!

No pênalti, não conseguiu tirar tanto do goleiro, mas bateu forte e não deu chances de reação à Aureola. No segundo gol, posicionamento de centroavante, na hora certa e lugar certo, acreditando na sobra da bola, lá estava ele, decisivo mais uma vez. Marcelo foi coroado com um gol, já que também fez ótima partida, sendo um dos melhores em campo.

Neymar criou pouco, jogou, muitas vezes, isolado, tinha muita gente para driblar, segurou demais a bola em alguns lances e não conseguiu fluir seu estilo de jogo e nem o PSG. Neymar sentiu a diferença, sentiu que precisa de mais para ser o melhor do mundo, teve um choque de realidade.

Deixe uma resposta