Capez erra em estratégia de defesa

fernando capez

A Assembleia Legislativa ALESP vive momentos conturbados por acusações que delatores do ramo de merenda escolar fazem contra o presidente da Assembleia deputado Fernando Capez.

É o assunto mais difícil em bastidores daquela casa.

Mas o deputado Capez está cometendo equívoco em sua defesa que é um equívoco de estratégia.

Primeiro vamos deixar definido que os delatores dizem que negociaram com assessores de Capez que diziam estar a mando do chefe.

Nenhum delator fez acusação direta de ter negociado com o deputado, mas sim com seus assessores.

As acusações são contra dois assessores do deputado.

Capez declara que demitiu um destes assessores por outro motivo e usa o termo bandido pra qualificar o assessor demitido.

Neste momento Capez mostra uma reação agressiva e isto não costuma ser a melhor estratégia de defesa.

O caminho deveria ser a existência de uma agenda positiva de sua administração e não acusação contra seu assessor.

Por outro lado, apenas um assessor foi tirado de cena, enquanto a denúncia permanece contra dois assessores.

Nãos e trata aqui de pessoalizar nada mas sim de se mostrar o cenário e o jeito que a história conta.

No passado, durante o governo de Itamar Franco um assessor de Itamar, aliás o principal dele, Hergreaves, amigo pessoal do presidente, foi acusado de improbidade.

De imediato Itamar afastou o amigo dileto e querido para que ele se defendesse da tão grave acusação fora do governo.

Foi quando Hargreaves de defendeu de maneira rápida e eficiente e logo voltou ao governo sem nenhuma acusação que atingisse o governo.

Capez tem a formação de promotor e deveria evitar que esta formação atrapalhasse a maneira política de agir.

Capez está político e deveria ter as atitudes relativas a político que tenha agenda positiva que é a única maneira de reduzir efeitos negativos de uma acusação.

Vou dar aqui dois outros exemplos recentes de Eduardo Cunha, presidente da Câmara Federal que até esteve recentemente sendo entrevistado pelo próprio Capez no programa que Capez tem na TV Assembleia ALESP.

Eduardo Cunha , acusado de inúmeras ilicitudes, primeiro gerou em agenda positiva a abertura de um processo de impeachment contra a presidente Dilma.

E agora vai abrir CPI da FIFA, pra apurar corrupção no futebol.

Dois grandes exemplos de agenda positiva que mostram na mídia outros assuntos de interesse popular a serem comentados e debatidos entre as pessoas.

Se Capez não gerar de imediato agenda positiva, as páginas de jornais vão continuar apenas com as notícias que tanto estão atingindo a sua pessoa.

Deixe uma resposta