Assim não, “pofexô”!

Por Deyvid Xavier

futebolnaveia.com.br

Vanderlei Luxemburgo, técnico renomado, multicampeão do futebol nacional e o único treinador brasileiro a comandar o Real Madrid na época dos “galácticos”, como Figo, Zidane, Raúl, Ronaldo, enfim, é um currículo de muito respeito. Mas será que acabou?

Há tempos que o “pofexô” não implanta  a filosofia nos “ateta”. Frases marcantes à parte, sim, há tempos o “professor Luxa” (com o máximo de respeito que merece) não conquista boas campanhas no cenário nacional e internacional do futebol.

Atualmente no Sport, Luxemburgo assumiu a equipe pernambucana ainda na zona de classificação para a Libertadores, mas hoje se encontra na zona de rebaixamento. Poucos esperavam ver isto por toda a história de Luxemburgo. Porém, a pior das justificativas foi dada pelo próprio treinador, dizendo que cair 4 clubes no Brasileiro é muito e fazendo comparações com os grandes campeonatos da Europa, onde caem apenas 3, ainda com uma repescagem.

Como assim, professor? O Brasileirão “derruba” 4 times desde 1997! Tirando alguns casos, como a Copa João Havelange de 2000, que não havia rebaixamento, todos sabemos que o regulamento é este. Na época de sucesso em que conquistava muitos títulos, Luxemburgo jamais tocou neste assunto, não é mesmo?

Outra questão dita pelo treinador é que, neste modelo, sempre haverá um clube grande rebaixado. Sem dúvida que é ruim para a principal divisão do Brasileirão não ter algum clube grande em sua fórmula, mas não se pode proteger ninguém! Comprou errado e planejou mal, tem que cair!

Luxemburgo precisou viver uma situação adversa ao que está acostumado na carreira, precisou ver como é “lá embaixo” para reclamar de uma situação completamente natural do futebol brasileiro. A torcida já começa a contestar o trabalho dele no comando do Sport. Não se pode falar algo do ambiente interno do time (pelo menos ainda), mas, o fato é que após a chegada de Luxa, o time despencou. A demissão não seria descartada se o time não mostrar poder de recuperação. O grande problema é que renovaram com ele recentemente, até o fim de 2018. Isto mostra que o futebol mudou e se atualizou, não tem mais espaço para pessoas que dão bronca em vestiário com “aúdio vazado”. Futebol não é só “vergonha na cara” e “coragem”, como gosta de cobrar o torcedor. Futebol é qualidade técnica, tática, física e psicológica e, também, bom ambiente!

Deixe uma resposta