Ao contrário de Bruno Covas, prefeitos da Grande SP rejeitam aumentar próprios salários

FOTO GOVERNO SP

A decisão do prefeito da capital paulista, Bruno Covas (PSDB) de sancionar aumento no próprio salário e de seus secretários não deverá acontecer na Grande São Paulo.

Orlando Morando (PSDB), de São Bernardo do Campo, diz que não há a menor chance de fazê-lo em um futuro próximo e que tem doado parte de seu salário correspondente a um aumento concedido na gestão anterior com o qual não concordou.

Paulo Serra (PSDB), prefeito de Santo André, diz que 2021 será um ano de ajustes e que, após a pandemia, discutirá a reposição apenas para funcionários de carreira.

O prefeito de Diadema, Filippi (PT) afirma que vetará o aumento para prefeito, vice ou vereadores.

“Estamos no meio de uma pandemia e em uma situação de desemprego”, afirma.

Em Mauá, Marcelo Oliveira (PT) aponta que essa possibilidade já foi vetada pelo Legislativo antes das eleições.

Deixe uma resposta