Ainda existe esperança no ser humano

André Porto/Metro
André Porto/Metro

E lá estava eu. Mais uma vez. A mão esquerda levava o livro e a blusa de frio. A mão direita se encarregava de segurar a mochila que precisou sair das costas para não atrapalhar os outros. Essa rotina se repete todos os dias, exceto quando esqueço minha blusa de frio ou meu livro em casa (o que me deixa muito irritada).

Aprender a surfar no metrô foi a melhor solução, já que a minha única esperança de crescer para alcançar o ferro está nos famosos sapatos de salto alto. Acho lindo, mas não combinam com o meu dia a dia. Acordo atrasada, coloco meu tênis e saio correndo. Simples, prático e fácil. Gosto assim. Prefiro deixar esse esforço de equilíbrio e beleza para os fins de semana.

O fato é que andar de coletivo é mais que uma aventura de surfar para não cair. Neles podemos observar várias vidas com objetivos e destinos diferentes, enfrentando uma situação em comum. Infelizmente, muitos não se dão conta de que o respeito e a educação podem gerar um transporte melhor, e que antes de lembrar apenas dos pontos negativos, temos que avaliar se estamos fazendo a nossa parte como cidadãos. É por causa dos muitos que não se esforçam para a prática da boa convivência que presenciamos tantos casos de violência e desrespeito. Aí deixamos de acreditar na bondade do ser humano, o que não é nada bom.

Enquanto eu surfava no metrô, como dizia no início, meu cadarço desamarrou. Eu não tinha espaço para abaixar e estava com as duas mãos ocupadas, não tinha como amarrá-lo. Até aí tudo bem, eu ia descer na próxima estação e era só prestar atenção. Até que eu, desiludida, fui surpreendida por um senhor de tamanha educação e gentileza, que prontamente, assim que conseguiu um espaço, abaixou e amarrou o meu tênis.

Não esperava essa atitude. Sorri e agradeci, mas ele não sabia que eu dizia “obrigada” não apenas pela ação, dizia obrigada, sobretudo, pelo fato de ter renovado minhas esperanças de um mundo com pessoas que pensam no outro, são educadas e fazem boas ações quando podem. Valeu a pena encarar mais um dia de surf no metrô de São Paulo.

@barbarasaryne

Mande seu e-mail para Bárbara Saryne: barbarasaryne@bastidoresdainformacao.com.br

Deixe uma resposta