Adeus, Logan!

Hoje estreia nos cinemas o filme Logan e sob muita expectativa nós já fomos ver o filme e você confere agora o que achamos:

Primeiramente gostaria de dizer que o longa consegue quebrar a maldição do terceiro filme com louvor, de longe é o melhor da trilogia de Wolverine, o velho Logan interpretado de forma brilhante por Hugh Jackman, agora precisa conviver com a perda de seus amigos, restando apenas Xavier e Caliban e trabalhando como Motorista de Limousine (Uma espécie de Uber) até que uma mulher chamada Gabriela cruza seu caminho com Laura (X-23) e pede a ajuda do ex-X-men, até que um mercenário interessando na menina resolve agir e o desenrolar da história começa. Sem cenários de grandes cidades, vilões espaciais e frases de efeito bobas, Logan se diferencia no meio da multidão por não ter medo de mostrar a violência dos golpes da pequena Laura, que está incrível, Dafne Keen mesmo sem falar quase durante todo o filme brilha em seu papel, não tem como ficar sem vibrar com suas cenas de pancadaria, aliás, existe uma cena que dura quase 4/5 minutos de pura ação, e quando acaba você ainda quer mais! As fraquezas de Logan, seu andar mancando nos faz realmente pensar “É, ele está velhinho” um grande contraponto com a juventude explosiva da pequena X-23. Os vilões são bons, desafiadores e um deles tem um final que é delicioso de ver!

A trilha sonora de Marco Beltrami, que já realizou diversos trabalhos no mundo do terror, quase passaria despercebida se não fosse pelas crescentes músicas pontuadas, soube exatamente captar a sensação de alerta dos personagens, a fotografia não traz nada original, mas estamos no México, em 2029, temos grandes paisagens, aquele sol escaldante e carros maneiros (Logan usa três carros diferentes durante o filme e você quer todos na sua coleção de Hot Wheels).  Existe referências aos quadrinhos, inclusive sendo lidas pelo nosso protagonista. O filme mostra pra suas “concorrentes” como se fazer um filme maduro sem usar filtro escuro ou um vilão irritante que fale abobrinha a cada 2 minutos de cena, não tenta ser o que não é, simplesmente cumpre seu papel de ser um ótimo filme Logan com certeza se torna um marco na cinematografia dos quadrinhos, podemos considerá-lo um divisor de águas, e apesar de “maduro”, o filme sério mostra que tem um coração, é como você reencontrar velhos amigos, você se sente confortável na poltrona do cinema e torce para que tudo termine bem. Entre muitas cenas memoráveis, destaco a última, que arrancou aplausos na sessão, uma cena que dificilmente irei me esquecer. Logan é simplesmente magnifico, obrigado Hugh Jackman, e Adeus Logan!

Deixe uma resposta