Acusados de morte encomendada pela própria vítima vão à julgamento em Penápolis, SP

Carro foi encontrado próximo a corpo, com carta de despedida (Foto: Reprodução / TV TEM)
Carro foi encontrado próximo a corpo, com carta de despedida (Foto: Reprodução / TV TEM)

Começou na última quarta-feira (19), em Penápolis (SP), o julgamento dos dois acusados de assassinato à advogada Giovana Mathias Manzano, em 2011.

Segundo a polícia, Carlos Henrique da Silva Goves e Wellington de Oliveira Macedo receberam R$ 2 mil da própria Giovanna para cometer o crime.

O corpo de Giovana estava ao lado do seu carro, que fôra incendiado no ato do assassinato. A advogada, que levou três tiros na nuca, sofria de depressão desde a separação do marido, em fevereiro do mesmo ano, o que levou os policiais a desconfiarem da encomenda da morte por parte da vítima, suspeita confirmada após revelação de carta de despedida destinada à família.

Se condenados, os acusados podem pegar até 36 anos de prisão em regime fechado.

Deixe uma resposta