A verdadeira lenda de Bloody Mary

 

 

 Depois da real história da Branca de Neve

arquivo do horror

Não, neste caso não estou me referindo à famosa bebida feita a base de tomate e vodka, mas sim à centenária lenda de um ser sobrenatural que ataca quem ousa citar o seu nome. 

Essa lenda diz que quem ousar proferir o nome “Bloody Mary” três vezes em frente a um espelho invocará o espírito enfurecido de uma mulher. Não se alegre, solteirão, no caso disso acontecer restam três opções: ela poderá desfigurá-lo com uma tesoura, arrancar seus olhos com o singelo objeto ou, no pior dos casos, matá-lo com ele.  

Essa lenda também é conhecida por outros nomes, como lenda de Mary Whales ou Mary Worth.  

blood mary 1

Alguns escritores já tentaram explicá-la, como é o caso de Janet Langlois em “Mary Whales: Eu acredito em você”, de 1978, e Simon J. Browner no seu “Rituais Mary Worth” de 1988, cada qual apresentando suas próprias teorias sobre o assunto.  

Até mesmo o famoso seriado Sobrenatural (Supernatural, em inglês), já abordou o tema no sexto episódio da primeira temporada, intitulado “Originalmente Bloody Mary”, onde eles apresentam sua própria versão da lenda.  

 Na verdade o que não faltam são teorias para ela.  

Uma delas diz que uma mulher que viveu na época da Inquisição foi capturada e queimada viva (como ocorria com pessoas acusadas de bruxaria) e que, invocando seus poderes obscuros, amaldiçoou todos aqueles que um dia proferissem seu nome. Obviamente esse nome deveria ser Mary Worth, Mary Whales ou simplesmente Bloody Mary (????). 

 Outra versão, mais conhecida no Brasil, diz que uma linda mulher loira sofreu um acidente automobilístico que resultou em terríveis cicatrizes no seu até então belo rosto. Devido à aparência terrível que ela passou a ter, virou motivo de chacotas e brincadeiras de mau gosto por parte de pessoas insensíveis à sua tragédia. Desgostosa com a vida ela fez um pacto demoníaco e se vingaria de todo aquele que dissesse seu nome. 

Bloody Mary 2

 A lenda de Bloody Mary foi importada pelos brasileiros e por aqui é conhecida como Lenda da Loira do Banheiro, da Bruxa do Espelho ou da Maria Degolada, cada qual com pequenas variações, mas em comum tendo o fato de que proferir o nome da dita cuja a invocará e causará a morte do atrevido. 

 No caso da Loira do Banheiro a entidade parece ser um pouco mais singela que a Bloody Mary, pois ela apenas pede àquele que a invocar que retire o algodão ensanguentado que traz dentro da boca. 

 Mas afinal, por que a invocação da entidade deve ocorrer defronte a um espelho?  

 Segundo especialistas em paranormalidade e fenômenos sobrenaturais os espelhos são uma passagem, uma espécie de portal, entre o mundo dos espíritos e o plano físico e que realizar certos rituais defronte a eles permite que se transite entre os dois planos. 

 Essa não passa de mais uma lenda urbana, como tantas outras, mas você se arriscaria a citar o nome da entidade defronte a um espelho? 

Na próxima semana…

Doppelgänger

* Você vai conhecer a história de Doppelgänger, uma lenda germânica que refere a uma entidade que possui a capacidade de se tornar uma cópia idêntica a de uma pessoa viva. É apavorante!

Arquivo do Horror, toda quarta-feira, às 20h, no BDI.

@oscarmendesf / Site oficial do autor

Mande e-mail para o colunista: oscarmendes@bastidoresdainformacao.com.br

 

 

Deixe uma resposta