A lenda da Marginal do Rio Tietê

lendas do universo

Quando eu era pequena escutava os noticiários falarem de uma tal de Marginal do Rio Tietê. Deste jeito eu pensava:
– Marginal é uma bandida, né?!
– Mas, esta aí aparece tanto na televisão…
– Por que não conseguem prende-la?
– Será que ela é bonita?

Então todas as vezes que os jornais falavam sobre a Marginal do Rio Tietê, eu ficava de olhos bem abertos para poder identificar esta mulher tão misteriosa.

Foto: Lucas Canosa
Foto: Lucas Canosa

O tempo passou, eu cresci e na adolescência descobri que a Marginal do Rio Tietê era o nome dado a uma rodovia transversal feita de um conjunto de avenidas que margeiam este rio.

Já, na idade adulta, trabalhando no comércio, comentei com uma cliente de São Paulo que quando criança pensava que a Marginal do Rio Tietê tratava-se de uma mulher. Então ela resolveu me contar O Causo da Marginal do Rio Tietê:

Na época do Brasil Colônia existiam muitas lendas, entre elas a da Iara e a do Violeiro do Diabo. As iaras eram as sereias canibais de água doce que seduziam os homens para devora-los e o violeiro do satanás tratava-se de um músico sedutor que quando era vivo, engravidava mulheres de diferentes vilas, mas fazia todas abortarem. Por isto, quando ele morreu e foi ao Inferno nem o Diabo aceitou esta criatura lá e disse que única forma dele se salvar seria engravidando outras mulheres, porém deixando seus filhos nascerem. Por isto este músico foi mandado de volta ao mundo.

Naquele tempo, este violeiro estava passando ao lado do Rio Tietê, quando avistou uma iara e apaixonou-se por ela. Porém, o músico se negou a entrar no rio. Assim esta mãe-da-água passou a namorar este homem sempre quando tomava formas de mulher para pisar na terra.

Um certo dia, a iara descobriu que estava grávida. Mas a partir daquele instante o violeiro nunca mais apareceu. Assim ela deu à luz a uma menina, que também era uma espécie de mãe-da-água. O problema é que esta criança era muito sapeca, pois aprontava travessuras como assaltar e roubar as pessoas que passavam na beira do rio. Como ela era filha do Violeiro do Diabo sua vida estava condenada a ser eterna. Por causa de suas peripécias que ficaram famosas com o passar dos anos, esta eterna garota passou a ser apelidada de “A Marginal do Rio Tietê”.
Muitos séculos passaram, tanto que até foi construída uma rodovia transversal às margens do Rio Tietê, e a menina sapeca continuava cometendo seus pequenos delitos por lá. Algumas pessoas já viram esta garota pular na água, depois de cometer assaltos e transformar-se em iara em seguida.

Reza a lenda que até hoje, esta menina continua apavorando por lá, pois ela é a verdadeira Marginal do Rio Tietê.
Agora, estou quase na terceira idade, mas meu sonho é ir para São Paulo só para visitar o Rio Tietê e avistar esta adorável bandida.

Luciana do Rocio Mallon / @lucianadorocio

“Lendas do Universo”, toda sexta-feira, às 20 horas, no BDI.

O livro da autora 

Mande seu e-mail para Luciana : lucianadorocio@bastidoresdainformacao.com.br

Deixe uma resposta