• Home »
  • Audiência da TV »
  • “A gente não tem o direito de tirar a própria vida”, revela Claudia Rodrigues no Programa Raul Gil deste sábado

“A gente não tem o direito de tirar a própria vida”, revela Claudia Rodrigues no Programa Raul Gil deste sábado

Foto: Rodrigo Belentani / SBT

Foto: Rodrigo Belentani / SBT

O Programa Raul Gil do próximo sábado, 06 de fevereiro, Thammy Miranda, Ciça Camargo, Sheila Mello e Antônia Fontenelle sabatinam Claudia Rodrigues. As meninas do “Elas Querem Saber” tiram tudo da comediante. Claudia, que gravou a entrevista antes de realizar um novo tratamento e cirurgia recente, falou sobre a doença que a tirou da televisão, bastidores da tevê e sobre o nova forma de fazer humor.

Confira as melhores frases do quadro:

“Da Globo não tenho o que falar, sempre foi ótima pra mim, mas eu fiquei decepcionada, pois eu ia fazer 20 anos de trabalho na emissora e me demitiram. Para mim foi um golpe” (sobre como foi seu desligamento da Globo)

“Na vida tenho uma coisa que me arrependo. É o sincericídio, pois sou muito sincera. As vezes peco por falar algo e acabo passando de grossa. Só falei que a moça estava acima do peso. (sobre algum arrependimento)

“Comecei com uma dormência no braço e fui diagnosticada depois de diversos exames. Descobri em 2000 e depois em 2010 e 2011 quando fui regravar A Diarista, vi que não dava conta” (como foi a descoberta da doença)

“Eu acho que não mudou nada. Fiquei chateada e as pessoas te tratam como você fosse uma coitadinha” (o que mudou após descobrir a doença)

“Ela é ótima, ela divide a vida comigo” (sobre a filha Isa de 13 anos)

“Eu tenho dinheiro guardado e aplicado. Ganhei dinheiro e está lá, então não posso falar que estou passando fome. É mentira. (sobre o tratamento ser caro)

“Fiquei 4 anos encostada, mas recebia. Mas chega uma hora que a própria TV Globo encosta a gente, então beleza, você tem que encostar” (sobre ficar afastada na emissora)

“Faço teatro desde os 14 anos. Em 86 fui fazer um teste para a Globo e estreei no programa Caça Talentos” (sobre o início da carreira)

“A Thalia, beijo muuuito, foi um tiro muito certo. A Sirene, sou pobre mais sou limpinha” (quais os personagens e bordões que mais marcaram)

“A Thalia, eu estava indo para uma festa fantasia. Coloquei a dentadura, que ganhei do meu pai e falei vou beijar muito. Quando voltei da festa criei o personagem” (sobre a criação do personagem)

“Lucio Mauro é um dos maiores. Ele é muito gente boa e talentoso” (um comediante que admira)

“Pensei em tirar minha vida sim. Eu moro no vigésimo andar e pensei: Vou me jogar! Ai liguei para minha empresária e amiga e falei que não estava bom, que estava tudo errado. Você tem um programa de audiência, no horário nobre e ai nada acontece. Ai ela veio e quase me bateu” (sobre o episódio que pensou em tirar a própria vida)

“A gente não tem o direito de tirar a vida. Se alguém pensa nisso pode sentar, chorar e pedir perdão para Deus. Pois só Ele que pode”

“Eu aprendi que a gente não pode falar o que pensa. Aprendi a ficar quieta” (sobre o que aprendeu no decorrer da vida)

“O me irrita ver as pessoas se maltratando” (uma coisa que a deixa irritada)

“Eu acho que os antigos faziam humor de verdade”

“O humor de hoje em dia é muito berrado” (dando exemplo como Tatá Werneck, Fabio Porchat e Paulo Gustavo)

“Eu gosto de dormir, ler, ver filmes” (o que faz nas horas vagas)