A estranha acusação de R$ 10 milhões de dólares

Foto: Veja
Foto: Veja

O Procurador Geral da República, Janot, baseou seu pedido de prisão sem prazo determinado contra André Esteves num papel encontrado na casa do chefe de gabinete de Delcídio.
O papel que a PGR alega ter sido encontrado teria uma anotação, não se sabe se manuscrita ou o que seja, contando que André Esteves teria pago 10 milhões de dólares a Eduardo Cunha pra que fosse colocada numa Medida Provisória uma emenda que beneficiaria o BTG.
Esta é a base pra prorrogar a prisão de Esteves.
Mas o que me estranha são duas coisas.
A primeira é o texto descrito de maneira romanceada.
Conta o texto que depois da votação da devida emenda foram todos jantar, incluindo Esteve e Cunha, dando a entender que comemoravam o evento.
Mas a emenda colocada por Cunha não foi aprovada.
Não acredito que Esteves tenha pago 10 milhões de dólares por algo que não teve sucesso.
Esteves é banqueiro e não idiota.
Então fica estranho que tenha sido encontrado este papel na casa do chefe de gabinete de Delcídio, descrevendo de maneira romanceada um ato que não foi efetivado.
Fico me perguntando porque um chefe de gabinete teria este papel em casa com data de 2013 e com texto que não condiz com a verdade acontecida.

 

Deixe uma resposta